Teresina, 12 de abril de 2024
Logotipo do grupo DO POVO de Comunicação
BroadCast DO POVO. Serviço de notícias para veículos de comunicação com disponibilzação de conteúdo.
Pesquisar
Close this search box.
PUBLICIDADE

Uma intrincada trama política ganha vida com a CPI do 8 de Janeiro

Com 467 requerimentos apresentados pelos integrantes da Comissão, a CPI do 8 de Janeiro começa a ganhar vida. De Bolsonaro a Flávio Dino, a guerra por convocações para depoimentos entre oposição e sItuação desenha uma trama intricada.
CPI do 8 de Janeiro
Eduardo Bolsonaro acompanha CPI do 8 de Janeiro. Foto: Pedro França/Agência Senado

A Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI), uma força-tarefa dedicada a desvendar o complexo mosaico do 8 de janeiro, começa a analisar 467 requerimentos e processa cerca de 50 solicitações de quebra de sigilo. É o início de uma intrincada trama política que começa a ganhar vida com as manifestações de parlamentares da oposição e do governo durante o processo.

Personalidades do mais alto escalão do governo Bolsonaro estão sob investigação, sendo o nome do próprio ex-presidente mencionado de forma consistente durante os primeiros dias da CPMI.

Peculiaridades emergem à luz do escrutínio

O escrutínio incisivo recai sobre personalidades de destaque como Anderson Torres, Mauro Cid e Augusto Heleno, nomes fortemente atrelados ao governo Bolsonaro. Torres, outrora Ministro da Justiça e secretário de Segurança Pública do DF, encontra-se sob os holofotes após sua prisão por suposta cumplicidade com os golpistas.

Já Mauro Cid, ex-assistente de ordens de Bolsonaro, cuja quebra do sigilo  revelou trocas de mensagens comprometedoras com aliados num mirabolante plano para barrar a posse de Lula e preservar Bolsonaro no poder. General Heleno, o ex-chefe do Gabinete de Segurança Institucional, figura em inúmeros requerimentos após seus indicados serem flagrados colaborando com os invasores.

Bolsonaro é a peça central do tabuleiro

O deputado Rogério Correia (PT-MG) apresentou um requerimento de convite endereçado ao ex-presidente Jair Bolsonaro, expondo uma série de alegações de que Bolsonaro teria trabalhado para subverter o processo eleitoral, em uma afronta à democracia brasileira.

A tática é convocar Flávio Dino na CPI do 8 de janeiro

Aliados de Bolsonaro no parlamento convocaram Flávio Dino, atual Ministro da Justiça no governo Lula, numa ação que sugere uma tentativa de redirecionar o foco da investigação. O senador Izalci Lucas (PSDB-DF) até chegou a solicitar a quebra dos sigilos telefônico e telemático de Dino.

Horizonte da investigação

A CPMI agora amplia suas vistas para incidentes prévios à tentativa de golpe de 8 de janeiro. A senadora Eliziane Gama (PSD-MA), relatora da Comissão, sugeriu que a investigação adentre os atentados terroristas ocorridos antes da tentativa de golpe.

A CPMI se compromete a iluminar a série de eventos alarmantes do 8 de janeiro.

PUBLICIDADE
CONTEÚDO RELACIONADO
PUBLICIDADE
VEJA TAMBÉM
ÚLTIMAS
PUBLICIDADE
CONTEÚDO RELACIONADO
PUBLICIDADE
VEJA +

Notícias

Institucional

Para você

Notícias

Institucional

Para você