Teresina, 12 de abril de 2024
Logotipo do grupo DO POVO de Comunicação
BroadCast DO POVO. Serviço de notícias para veículos de comunicação com disponibilzação de conteúdo.
Pesquisar
Close this search box.
PUBLICIDADE

Progressistas vê oportunidade bilionária no Ministério dos Esportes com apostas e cassinos

Projetos de Lei em tramitação podem transformar o cenário de jogos e apostas no Brasil, com potencial de arrecadação de bilhões.
Senador Ciro Nogueira, presidente do Progressitas, ao lado dos deputados Arthur Lira e André Fufuca, ao fundo, o cenário de um cassino.
Ciro, Lira e Fufuca: Ministério dos Esportes pode ser turbinado com jogos e cassinos.

Enquanto o Brasil avança na regulamentação de apostas esportivas e cassinos, o Partido Progressista (PP) intensifica sua pressão para assumir o Ministério dos Esportes. O partido vê uma oportunidade de ouro: a legalização dessas atividades poderia gerar uma receita anual bilionária para o governo federal.

Cenário atual

Dois Projetos de Lei estão atualmente em tramitação no Congresso Nacional que podem mudar o cenário de jogos e apostas no Brasil. O PL 442/1991, que trata da regulamentação de cassinos, e o PL 3.626/2023, voltado para apostas esportivas, têm o potencial de gerar bilhões em receitas.

Detalhes dos Projetos de Lei

O PL 442/1991, aprovado pela Câmara dos Deputados em 2022, permite a instalação de cassinos em resorts de complexo integrado e define regras de acordo com a população de cada Estado. O PL 3.626/2023, por sua vez, está em regime de urgência e deve trancar a pauta da Câmara a partir do próximo dia 9. Este projeto é uma extensão da Medida Provisória 1.182/2023 e visa regularizar o setor de apostas esportivas.

O interesse do Progressitas

O PP, liderado pelo senador Ciro Nogueira e pelo deputado Arthur Lira, vê uma oportunidade de arrecadação de até R$ 30 bilhões por ano com a legalização desses jogos. O partido acredita que esse dinheiro poderia ser investido em projetos esportivos e sociais.

Distribuição da arrecadação

De acordo com o texto da MP 1.182/2023, a arrecadação com a taxação de 18% sobre a receita das empresas de apostas será distribuída da seguinte forma: 10% para a seguridade social, 0,82% para educação básica, 2,55% para o Fundo Nacional de Segurança Pública, 1,63% para clubes e atletas profissionais, e 3% para o Ministério dos Esportes.

Oportunidade de receitas

O governo busca um acréscimo de receitas próximo de R$ 100 bilhões para zerar o déficit nas contas públicas já em 2024. O Instituto Jogo Legal estima que o volume usado para recebimento de apostas e pagamento de prêmios está em cerca de R$ 100 bilhões no Brasil. Portanto, o governo projeta uma arrecadação de R$ 2 bilhões por ano no setor, com potencial de chegar a R$ 12 bilhões.

A pressão do Progressitas para assumir o Ministério dos Esportes é estratégica e oportuna, dada a iminente regulamentação de apostas esportivas e cassinos no Brasil. Com projetos de lei avançando e o potencial de arrecadação bilionária, o partido se posiciona para capitalizar sobre essa nova fonte de receitas.

Ministério do Esporte: Ana Moser sai, André Fufuca entra

Em meio ao cenário de intensas negociações políticas e projetos de lei que podem transformar o Ministério dos Esportes em uma pasta bilionária, a ex-jogadora de vôlei Ana Moser foi convidada a deixar o Ministério. A demissão foi oficializada em uma reunião com o presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na tarde de terça-feira (5).

O favorito para assumir o cargo é o deputado federal André Fufuca, líder do PP no Maranhão e aliado próximo do presidente da Câmara, Arthur Lira e do ex-ministro e senado Ciro Nogueira. O anúncio oficial das mudanças ministeriais é esperado até o final desta semana, consolidando as estratégias do governo e do Progressitas em relação ao futuro do Ministério dos Esportes.

PUBLICIDADE
CONTEÚDO RELACIONADO
PUBLICIDADE
VEJA TAMBÉM
ÚLTIMAS
PUBLICIDADE
CONTEÚDO RELACIONADO
PUBLICIDADE
VEJA +

Notícias

Institucional

Para você

Notícias

Institucional

Para você