Teresina, 19 de abril de 2024
Logotipo do grupo DO POVO de Comunicação
BroadCast DO POVO. Serviço de notícias para veículos de comunicação com disponibilzação de conteúdo.
Pesquisar
Close this search box.
PUBLICIDADE

Relógio do apocalipse: Rússia e Bielorrússia inauguram nova era nuclear na Europa

O acordo nuclear entre os países tem implicações significativas para a guerra na Ucrânia e além. A presença de armas nucleares na fronteira ocidental da Rússia adiciona uma nova dimensão à crise
Acordo nucelar entre Rússia e Bielorrússia aumenta a tensão na Guerra da Ucrânia.
Sergei Shoigu (à esquerda) e Viktor Khrenin (à direita), apertam as mãos durante seu encontro na capital da Bielorrússia. Foto: Ministério da Defesa Russo

Países assinam acordo nuclear nesta quinta(25)

Em um movimento que pode alterar significativamente o equilíbrio de poder na região, a Rússia e a Bielorrússia assinaram um acordo para implantar armas nucleares na Bielorrússia. Os ministros da Defesa da Rússia e da Bielorrússia, Sergei Shoigu e Viktor Khrenin, respectivamente, confirmaram a informação.

O acordo nuclear entre os países tem implicações significativas para a guerra na Ucrânia e além. A presença de armas nucleares na fronteira ocidental da Rússia adiciona uma nova dimensão à crise, aumentando a tensão e a incerteza na região.

A decisão de implantar armas nucleares na Bielorrússia deve ser vista como uma tentativa de intimidar a Ucrânia e outros países vizinhos. A presença de armas nucleares tão perto da fronteira ucraniana poderia ser usada como uma forma de dissuasão, desencorajando países europeus a apoiarem a Ucrânia.

Além disso, o acordo nuclear também pode ter implicações para a segurança dos aliados dos EUA na Europa. A implantação de armas nucleares na região é percebida como uma ameaça direta aos países da OTAN, aumentando a pressão sobre os EUA para reafirmar seu compromisso de proteger seus aliados.

O acordo nuclear entre Rússia e Bielorrússia também pode ter implicações para a não proliferação nuclear. A Ucrânia, que desistiu de seu próprio arsenal nuclear após o colapso da União Soviética em troca de garantias de segurança, pode ver este movimento como uma violação dessas garantias. Isso poderia potencialmente minar os esforços de não proliferação nuclear e levar outros países a reconsiderar suas próprias políticas de armas nucleares.

O movimento entre os dois países aliados tem o potencial de aumentar significativamente a tensão na região e complicar ainda mais a situação na Ucrânia. Os EUA e países aliados como a Inglaterra, França e Alemanha devem responder à nova situação bélica provacada pela escalada de tensões dos últimos dias.

A Bielorrússia como aliada da Rússia

A Bielorrússia tem sido uma grande aliada da Rússia desde o início da guerra na Ucrânia em fevereiro de 2022. Shoigu afirmou que a Bielorrússia recebeu o sistema de mísseis operacional-tático Iskander-M, capaz de ser utilizado em equipamentos nucleares.

Preparação para o uso de Armas Nucleares

“Parte da aeronave bielorrussa foi convertida para o possível uso de armas nucleares. Os militares passaram por treinamento adequado”, disse Shoigu. Khrenin, por sua vez, afirmou que a Bielorrússia está interessada no desenvolvimento de relações aliadas estratégicas com a Federação Russa na esfera militar.

Resposta à OTAN e aos EUA

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, disse que a implantação de armas nucleares é uma resposta ao tipo de armas oferecidas pelos Estados Unidos e países da Organização de Tratado do Atlântico Norte (OTAN) em apoio à Ucrânia.

Implicações globais e regionais

Este acordo marca uma escalada significativa nas tensões regionais e levanta questões sobre a estabilidade futura da região. A implantação de armas nucleares na Bielorrússia pode ter implicações de longo alcance para a segurança europeia e global.

Presença militar permanente

De acordo com uma análise do site Riddle Russia, a decisão de implantar armas nucleares na Bielorrússia foi tomada em julho de 2022. A adaptação de 10 aeronaves bielorrussas (aparentemente, Su-30SM) para carregar armas nucleares e a construção de uma instalação de armazenamento precisam de tempo, enquanto a decisão de transferir o sistema de mísseis Iskander para Minsk foi tomada já em junho de 2022.

A decisão de implantar armas nucleares também significa que a Rússia está inevitavelmente transformando sua extensa, mas formalmente temporária, presença militar na Bielorrússia em uma presença permanente. Isso implica que a Rússia está trabalhando para destruir as regras internacionais existentes, além de travar uma guerra.

PUBLICIDADE
CONTEÚDO RELACIONADO
PUBLICIDADE
VEJA TAMBÉM
ÚLTIMAS
PUBLICIDADE
CONTEÚDO RELACIONADO
PUBLICIDADE
VEJA +

Notícias

Institucional

Para você

Notícias

Institucional

Para você