Teresina, 23 de maio de 2024
Logotipo do grupo DO POVO de Comunicação
BroadCast DO POVO. Serviço de notícias para veículos de comunicação com disponibilzação de conteúdo.
Pesquisar
Close this search box.
PUBLICIDADE

Possibilidade de formação do Super El Niño preocupa cientistas e alerta para impactos globais

Descubra os alertas dos cientistas sobre a possibilidade de formação do Super El Niño e seus impactos globais. Saiba como esse fenômeno climático pode afetar a temperatura global, causar secas e chuvas intensas em diferentes regiões e agravar os efeitos das mudanças climáticas. Fique por dentro das projeções e entenda a importância de acompanhar as pesquisas científicas para lidar com os desafios climáticos.
Super El Niño preocupa cientistas
Fenômeno El Niño

Os cientistas estão emitindo alertas sobre a possibilidade de formação de um fenômeno Super El Niño de intensidade extrema nos próximos meses, conhecido como Super El Niño. Esse evento climático pode trazer consequências devastadoras para todo o mundo, com impactos significativos na temperatura global, perda de florestas tropicais, branqueamento de corais, incêndios florestais e derretimento do gelo polar.

O El Niño é um fenômeno natural caracterizado pelo aquecimento anormal das águas do Oceano Pacífico, ocorrendo de forma irregular a cada 5 a 7 anos e influenciando os padrões climáticos globalmente. No Brasil, o El Niño pode causar secas prolongadas nas regiões norte e nordeste e chuvas intensas na região sul, além de temperaturas elevadas em todo o país.

A preocupação com o Super El Niño surge devido ao seu potencial para eventos climáticos extremos e seu impacto nas temperaturas globais, incluindo desmatamento, incêndios florestais e recordes de calor. Os cientistas destacam que o fenômeno pode agravar os efeitos das mudanças climáticas já em curso, amplificando as condições adversas em diferentes regiões do planeta.

As projeções indicam que o aquecimento do Oceano Pacífico, que é um indício do desenvolvimento do El Niño, ocorrerá entre os meses de maio e junho. No entanto, os reflexos desse aquecimento não serão sentidos imediatamente no Brasil. São necessários de dois a três meses de persistência acima da média para que a circulação atmosférica responda a esse estímulo oceânico, o que significa que o padrão climático influenciado pelo El Niño começará a ser observado a partir dos meses de agosto e setembro deste ano.

Em períodos de El Niño, observa-se um padrão oposto ao da La Niña no Brasil. Enquanto a La Niña causa chuvas acima da média no sul do país, durante o El Niño espera-se chuvas abaixo da média nessa região, com temperaturas mais elevadas em todo o território brasileiro. Esse cenário pode acarretar em secas prolongadas no norte e nordeste, aumentando o risco de incêndios florestais, enquanto o sul pode enfrentar chuvas intensas e temperaturas acima da média.

Os efeitos do El Niño são amplamente conhecidos, e as últimas ocorrências desse fenômeno, como em 2016, evidenciaram suas consequências globais. Durante esse período, houve aumento recorde das temperaturas globais, perda de florestas tropicais, branqueamento de corais, incêndios florestais e degelo polar. Agora, cientistas acreditam que esse fenômeno poderá se repetir, ampliando os desafios enfrentados em relação às mudanças climáticas.

É importante compreendermos melhor o El Niño e seus impactos para desenvolvermos estratégias de adaptação e mitigação. O fenômeno representa um desafio adicional em um contexto global já marcado pelas transformações climáticas. Acompanhar as pesquisas e estudos científicos sobre o assunto é fundamental para uma compreensão mais ampla e ações efetivas diante dos possíveis efeitos do Super El Niño.

PUBLICIDADE
CONTEÚDO RELACIONADO
PUBLICIDADE
VEJA TAMBÉM
ÚLTIMAS
PUBLICIDADE
CONTEÚDO RELACIONADO
PUBLICIDADE
VEJA +

Notícias

Institucional

Para você

Notícias

Institucional

Para você