Teresina, 23 de maio de 2024
Logotipo do grupo DO POVO de Comunicação
BroadCast DO POVO. Serviço de notícias para veículos de comunicação com disponibilzação de conteúdo.
Pesquisar
Close this search box.
PUBLICIDADE

Indústria brasileira e União Europeia se preparam para ampliar parceria estratégica

Ursula von der Leyen, e o presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Robson Braga de Andrade,
Conferência "O Futuro da Parceria União Europeia-Brasil"

Brasília, Brasil – A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, e o presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Robson Braga de Andrade, expressaram otimismo sobre o fortalecimento da parceria entre o Brasil e a União Europeia durante a conferência “O Futuro da Parceria União Europeia-Brasil”, realizada em Brasília nesta segunda-feira (12). O evento foi organizado conjuntamente pela Delegação da UE no Brasil e pela CNI.

“Nossas regiões têm laços fortes. Mas não temos tirado todo o proveito desse potencial. Juntos, devemos combinar nossas forças para defender interesses comuns e encontrar soluções para enfrentar os desafios comuns”, afirmou von der Leyen, ressaltando que a parceria tem um potencial enorme a ser explorado.

Os líderes discutiram a digitalização e a transição energética e a necessidade de concluírem o Acordo Mercosul-UE o mais rápido possível. Von der Leyen enfatizou que o acordo não seria o fim das negociações de duas décadas, mas um “novo capítulo em nossa relação comercial e de amizade”.

De Andrade ecoou as palavras de Von der Leyen, afirmando que o acordo é “um instrumento eficiente para incrementarmos nossa parceria e criarmos um ciclo virtuoso de ampliação do comércio, dos investimentos e do emprego nos dois blocos.”

Os líderes também abordaram o declínio mútuo na relevância em suas relações comerciais. Em 2001, o Brasil era o oitavo parceiro comercial extrabloco da União Europeia, mas caiu para a 13ª posição vinte anos depois. Durante o mesmo período, a UE passou de primeiro para segundo lugar entre os parceiros comerciais brasileiros, perdendo terreno para a China.

A indústria brasileira tem destacado a importância do acordo, que vai além das questões econômicas e promove uma agenda de desenvolvimento sustentável, como um meio de reverter essa tendência.

A conferência também contou com um painel de debate sobre as prioridades, oportunidades e desafios para a parceria estratégica entre a União Europeia e o Brasil, com a participação de executivos de alto nível do setor privado, incluindo a CEO da Bayer Brasil, Malu Nachreiner, e o vice-presidente global de relações institucionais da Embraer, José Serrador.

Em um comunicado conjunto divulgado na manhã de segunda-feira, a CNI e a Confederação das Empresas Europeias (BusinessEurope) reiteraram seu apoio ao Acordo Mercosul-UE, destacando que a iniciativa cobriria quase um quarto da economia global e 31% das exportações mundiais de bens, proporcionando benefícios concretos para ambos os blocos, inclusive no sentido de atingir a neutralidade climática.

PUBLICIDADE
CONTEÚDO RELACIONADO
PUBLICIDADE
VEJA TAMBÉM
ÚLTIMAS
PUBLICIDADE
CONTEÚDO RELACIONADO
PUBLICIDADE
VEJA +

Notícias

Institucional

Para você

Notícias

Institucional

Para você