Teresina, 19 de abril de 2024
Logotipo do grupo DO POVO de Comunicação
BroadCast DO POVO. Serviço de notícias para veículos de comunicação com disponibilzação de conteúdo.
Pesquisar
Close this search box.
PUBLICIDADE

Política é o pulsar do sentimento popular

À medida que Franzé Silva desfila confiantemente pelos corredores da política, seus companheiros pré-candidatos expressam desconforto, criticando a imutabilidade de sua postura sem tomar medidas concretas para contrabalançar. Franzé está navegando em águas perigosas, correndo o risco de alienar seu próprio partido e confundir imposição com um autêntico processo de construção colaborativa.
Editorial do Jornal Diário do Povo sobre as movimentações de Franzé Silva na construção de sua pré-candidatura.
Editorial

Franzé Silva, o atual presidente da Assembleia Legislativa do Piauí, tem provocado ondas de desconforto entre seus colegas pré-candidatos do Partido dos Trabalhadores (PT), com suas ações que parecem antecipar uma certeza de candidatura que ainda não foi oficializada.

Fábio Novo, também do PT, lançou uma crítica velada a Silva, destacando a importância do apoio popular na corrida eleitoral. Ele lembrou a derrota do PSDB em 2020, apesar de ter a máquina da prefeitura e um grande número de candidatos a vereador em partidos aliados. A mensagem de Novo é clara: a popularidade, seja ela traduzida pela empatia do público ou pela simpatia pelo nome, é um elemento crucial na disputa eleitoral. Nos bastidores, murmura-se que Silva carece desse tipo de apoio popular.

A crítica de Vinícius Nascimento, outro pré-candidato do PT, foi ainda mais direta. Ele acusou Silva de agir como se já tivesse sido escolhido como pré-candidato a prefeito pelo PT, o que tem dificultado o diálogo com os outros pré-candidatos da base do Palácio de Karnak, incluindo o presidente da Câmara, Enzo Samuel, do PDT.

Nascimento afirmou: “A forma de trabalho do Franzé está como se já tivesse uma campanha, como se já tivesse definido o candidato, como se já tivesse a escolha do partido por ele.” Ele ressaltou a necessidade de uma “construção social” na pré-candidatura e a importância de conversar com as comunidades.

Essas críticas apontam para uma questão maior: a necessidade de diálogo e construção coletiva dentro do partido. A postura de Silva, se interpretada como presunção, pode ser vista como um desrespeito ao processo democrático interno do partido e aos outros pré-candidatos. A unidade partidária é crucial, especialmente em uma eleição municipal, onde a divisão pode levar à derrota.

As estratégias adotadas por cada pré-candidato para buscar apoio popular são variadas, mas todas elas parecem concordar em um ponto: a importância do diálogo e da construção coletiva. A popularidade não pode ser imposta, mas deve ser construída através do engajamento com as comunidades e da demonstração de empatia e compreensão das necessidades do povo.

As divergências internas no PT podem ter repercussões significativas para a unidade partidária e para o processo eleitoral em Teresina. Se não forem resolvidas de maneira satisfatória, podem levar a uma divisão que enfraqueceria o partido na corrida eleitoral.

Mas se de um lado Franzé Silva parece incomodar por agir demais, os outros pecam por não agirem. Entre os governistas, o apoio mais esperado é o de Rafael Fonteles. Inerte, por enquanto, Fonteles deve estar observando a movimentação de todos os pré-candidatos do seu partido, ou a falta dela.

Franzé pode até não ser o candidato de Rafael hoje, mas do governador não pode deixar de reconhecer que ele é o único que vem avançando – mesmo sem seu apoio.

A situação em Teresina é um lembrete de que a política não é apenas uma questão de poder, mas de sentimento. A popularidade e o apoio popular não são garantidos, mas são conquistados através de um trabalho constante de engajamento e diálogo com as comunidades que se pretende representar.

E em meio a tantas ações políticas, Franzé Silva, ao que parece, pode estar esquecendo essa lição fundamental. Seus movimentos, que parecem presumir uma candidatura garantida, estão causando desconforto. Isso não é apenas uma questão de etiqueta política, mas uma questão de respeito pelos princípios de construção coletiva que o PT diz defender.

A situação em Teresina é um microcosmo da política brasileira em geral. As tensões internas e as disputas pelo poder podem facilmente ofuscar o objetivo principal de qualquer partido político: servir ao povo.

A popularidade não pode ser forçada ou presumida, mas deve ser conquistada através de um trabalho constante de engajamento e diálogo com as comunidades que se pretende representar.

Em última análise, o sucesso de qualquer candidato depende não apenas de sua habilidade para navegar nas águas turbulentas da política interna do partido, mas também de sua capacidade de conectar-se com o eleitorado em um nível pessoal. A popularidade, como bem lembrou Fábio Novo, é um elemento crucial na disputa eleitoral.

Para Franzé Silva e todos os outros pré-candidatos, a mensagem deve ser clara: a corrida para a prefeitura de Teresina não será ganha somente através de manobras políticas internas, mas através do engajamento genuíno com o povo de Teresina.

Mas no final do dia, é o povo que decide. E o povo de Teresina, como todos os eleitores, valoriza a autenticidade, a empatia e o compromisso com o serviço público.

A política é um jogo complexo, cheio de nuances e sutilezas. Mas também é sentimento que faz o coração do eleitor pulsar.

PUBLICIDADE
CONTEÚDO RELACIONADO
PUBLICIDADE
VEJA TAMBÉM
ÚLTIMAS
PUBLICIDADE
CONTEÚDO RELACIONADO
PUBLICIDADE
VEJA +

Notícias

Institucional

Para você

Notícias

Institucional

Para você