Teresina, 19 de julho de 2024
Logotipo do grupo DO POVO de Comunicação
BroadCast DO POVO. Serviço de notícias para veículos de comunicação com disponibilzação de conteúdo.
Pesquisar
Close this search box.
PUBLICIDADE

Boletim Focus projeta alta da inflação e impacto nos setores da economia

O Boletim Focus revela projeção de alta da inflação e impacto nos setores da economia. Queda dos juros pode afetar setor de bens duráveis e desacelerar crescimento do PIB para 2024. Banco Central avalia redução de juros e busca equilíbrio entre controle inflacionário e estímulo econômico. Confira os detalhes e perspectivas para a economia.
Boletim Focos, do Banco Central, projeta alta da inflação
Banco Central do Brasil

Nesta segunda-feira, os números divulgados pelo Boletim Focus do Banco Central trazem previsões preocupantes para a economia. O economista Fabrício Velone, em entrevista ao Canal Rural, faz uma análise dos dados, destacando o impacto da queda dos juros no setor de bens duráveis e a desaceleração do crescimento do PIB para 2024.

Segundo Velone, o efeito dos juros na economia não é imediato, mas gradativo ao longo do tempo. A redução da atividade econômica em decorrência da queda dos juros afeta diretamente o crescimento, principalmente no próximo ano. Essa desaceleração pode ser um reflexo do efeito dos juros, que busca conter a inflação, mas também reduz a atividade econômica.

A previsão de queda do IPCA para 2024 abre espaço para possíveis reduções dos juros. No entanto, é fundamental que o Banco Central acompanhe o cenário fiscal para tomar decisões embasadas. Os números de inflação já apontam para uma desaceleração e o setor de serviços é uma das preocupações há algum tempo.

Velone ressalta que, se o cenário se mantiver favorável, setembro pode ser o momento para o Banco Central sinalizar uma redução de juros mais significativa. O Boletim Focus também revisou a projeção da taxa Selic para baixo, de 12,75% para 12%. Essa expectativa do mercado reforça a necessidade de o Banco Central buscar a redução dos juros para impulsionar alguns setores, como o de bens duráveis, que têm sofrido com os altos índices.

A indústria automobilística e o setor imobiliário e da construção civil são os mais afetados pela alta dos juros. Cortes de vagas de trabalho e medidas como o layoff já têm sido adotados, gerando uma aceleração indesejada nesses segmentos.

Diante dessas projeções, o Banco Central terá que analisar atentamente os dados e avaliar o momento adequado para promover cortes de juros, buscando equilibrar a desaceleração da inflação e estimular o crescimento econômico. Acompanhar os indicadores e o cenário fiscal será fundamental para a definição das medidas a serem adotadas nos próximos meses.

PUBLICIDADE
CONTEÚDO RELACIONADO
PUBLICIDADE
VEJA TAMBÉM

Eleição não é matemática

Eleição é uma manifestação da alma humana, e essa alma, rica em sentimentos e emoções, nunca pode ser completamente capturada por números.

ÚLTIMAS
PUBLICIDADE
CONTEÚDO RELACIONADO
PUBLICIDADE
VEJA +

Notícias

Institucional

Para você

Notícias

Institucional

Para você