Teresina, 21 de abril de 2024
Logotipo do grupo DO POVO de Comunicação
BroadCast DO POVO. Serviço de notícias para veículos de comunicação com disponibilzação de conteúdo.
Pesquisar
Close this search box.
PUBLICIDADE

Arcabouço fiscal: Relatório pronto, acordo em vista, mas servidores públicos podem pagar a conta

Aprovação do arcabouço fiscal aguarda votação dos líderes partidários, com implicações significativas para servidores públicos e concurseiros. O relatório apresentado propõe gatilhos para bloquear gastos do governo caso metas fiscais não sejam cumpridas, enquanto assegura a preservação do aumento real do salário mínimo e reajustes no Bolsa Família.
Arcabouço fiscal: reunião aconteceu no Palácio do Planalto nesta segunda (15)
Palácio do Planato foi palco de reunião sobre o arcabouço fiscal

BRASÍLIA – O relatório do arcabouço fiscal está pronto para ser analisado pelos líderes dos partidos e blocos partidários da Câmara dos Deputados. Em uma reunião crucial realizada na residência oficial do presidente da Câmara, Arthur Lira, em Brasília, o relator Cláudio Cajado apresentou o texto final do arcabouço fiscal. A expectativa é de que a votação do relatório ocorra ainda nesta semana.

Cajado conduziu reuniões estratégicas com a equipe econômica do governo federal, incluindo Fernando Haddad e Gabriel, buscando acelerar o processo de aprovação. O relator solicitou que fossem feitas emendas antes da apresentação formal da proposta, com o objetivo de evitar emendas durante a votação no plenário que poderiam atrasar o processo.

A reunião contou com a presença do presidente Lula, Fernando Haddad, Ministro da Fazenda, Gabriel Galípolo, e líderes do Congresso Nacional, incluindo José Guimarães e Jaques Wagner. Lula expressou seu desejo de que não sejam feitas emendas à proposta do Ministério da Fazenda, buscando evitar entraves à aprovação do arcabouço fiscal.

O presidente também se mostrou disposto a aceitar os “gatilhos” propostos por Cláudio Cajado. Esses “gatilhos” bloqueiam os gastos do governo federal caso as metas fiscais não sejam cumpridas. No entanto, Lula fez uma ressalva: o aumento real do salário mínimo e os reajustes no Bolsa Família devem ser preservados.

Servidores públicos podem ficar sem aumento

Essa posição do presidente pode ter implicações significativas para os servidores públicos federais e os concurseiros. Se o arcabouço fiscal for aprovado com esses “gatilhos”, os servidores públicos podem não ter aumento real nos próximos anos. Além disso, a necessidade de cortar gastos fiscais pode resultar no cancelamento de concursos federais.

Ainda assim, o arcabouço fiscal é visto como uma oportunidade para o governo Lula demonstrar a força de sua base, bem como a capacidade de responder tanto à sociedade quanto aos críticos de sua gestão. A aprovação do novo arcabouço fiscal poderia ser um forte argumento contra os opositores do governo, muitos dos quais são do próprio partido dos trabalhadores.

A aprovação do arcabouço fiscal é, portanto, um tema delicado, com implicações que vão além das finanças do país e penetram na dinâmica política e social do Brasil. A maneira como o governo e o Congresso lidam com essa questão será decisiva para o futuro do país.

PUBLICIDADE
CONTEÚDO RELACIONADO
PUBLICIDADE
VEJA TAMBÉM
ÚLTIMAS
PUBLICIDADE
CONTEÚDO RELACIONADO
PUBLICIDADE
VEJA +

Notícias

Institucional

Para você

Notícias

Institucional

Para você