Teresina, 20 de maio de 2024
Logotipo do grupo DO POVO de Comunicação
BroadCast DO POVO. Serviço de notícias para veículos de comunicação com disponibilzação de conteúdo.
Pesquisar
Close this search box.
PUBLICIDADE

São Paulo, Paraná e Parnaíba decidem manter escolas cívico-militares após governo Lula extinguir o modelo

Governador de São Paulo, Tarcísio de Freitas, e o prefeito de Parnaíba, Mão Santa, decidem manter escolas cívico-militares mesmo após decisão do governo lula que encerrou o programa.
Mão Santa, prefeito de Parnaíba mantém escola cívico-militar na cidade piauiense.

Em uma reação à decisão do governo Lula de extinguir as escolas cívico-militares em todo o Brasil, o estado de São Paulo e Paraná, bem como a cidade de Parnaíba no Piauí, anunciaram que manterão o modelo em suas jurisdições.

São Paulo amplia o programa de escolas cívico-militares

No mesmo dia em que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva anunciou o fim das escolas cívico-militares em todo o país, o governador de São Paulo, Tarcísio de Freitas, divulgou no Twitter a ampliação do programa no estado. De acordo com o governador, um decreto será editado para regular e expandir as unidades de ensino com esse formato. Freitas também enfatizou a importância do modelo militar na formação dos estudantes, citando sua própria experiência como aluno de colégio militar.

Paraná adota o modelo

No Paraná, o deputado estadual Hussein Bakri (PSD) informou que o governo local assumirá a administração de 12 escolas anteriormente sob responsabilidade das Forças Armadas. De acordo com Bakri, as escolas cívico-militares no Paraná mostraram um aumento em suas notas no Índice de Desenvolvimento de Educação Básica.

Parnaíba mantém o projeto

Em Parnaíba, no Piauí, o prefeito Francisco de Assis de Moraes Souza, conhecido como Mão Santa, assegurou a continuidade do modelo educacional na Escola Municipal Cívico-Militar Roland Jacob, mesmo após o início do processo de desmobilização do quadro de militares das Forças Armadas pelo Ministério da Educação. O prefeito reforçou a importância da metodologia empregada nas escolas cívico-militares, apontando a melhoria na disciplina e a formação de cidadãos éticos como benefícios.

O fim do programa nacional

A decisão de São Paulo, Paraná e Parnaíba ocorre em contraponto à decisão do governo federal de extinguir o Programa Nacional das Escolas Cívico-Militares (Pecim). Criado em 2019, o programa federal inclui 202 escolas com aproximadamente 120 mil alunos e cerca de mil militares atuantes.

Esta reação dos estados e municípios indica um desacordo com a política educacional do governo federal e demonstra um apoio contínuo ao modelo cívico-militar de ensino, levantando questões sobre a uniformidade na política educacional em todo o Brasil.

PUBLICIDADE
CONTEÚDO RELACIONADO
PUBLICIDADE
VEJA TAMBÉM
ÚLTIMAS
PUBLICIDADE
CONTEÚDO RELACIONADO
PUBLICIDADE
VEJA +

Notícias

Institucional

Para você

Notícias

Institucional

Para você