Teresina, 5 de dezembro de 2023
Logotipo do grupo DO POVO de Comunicação
BroadCast DO POVO. Serviço de notícias para veículos de comunicação com disponibilzação de conteúdo.
Pesquisar
Close this search box.
PUBLICIDADE

Operação Hidra: Polícia Federal desarticula esquema de corrupção e lavagem de dinheiro em Pernambuco

Polícia Federal realiza operação em Recife.
Dinheiro encontrado durante operação Hidra em Recife. Foto: Polícia Federal.

A Polícia Federal (PF) lançou hoje a “Operação Hidra”, uma ampla investigação para desmantelar uma organização criminosa especializada em crimes contra a administração pública e lavagem de dinheiro. O grupo, que inclui agentes públicos, servidores, empresários e particulares, vinha operando no sertão de Pernambuco.

Na manhã desta quinta-feira (13/7), mais de 200 policiais federais se mobilizaram para cumprir 86 mandados de busca e apreensão, expedidos pelo Tribunal Regional Federal da 5ª Região (TRF-5). As ações foram realizadas em diversos municípios, incluindo Recife, Camaragibe, Caruaru, Arcoverde, Ibimirim, Afogados da Ingazeira, Itacuruba, Inajá e Salgueiro.

As investigações, que começaram a partir de um acordo de colaboração premiada homologado pelo TRF-5, levantaram indícios de associação criminosa, lavagem de dinheiro, e a existência de empresas fictícias contratadas pela prefeitura. A análise também detectou vínculos suspeitos entre os proprietários dessas empresas e processos licitatórios com sinais de contratações diretas irregulares, superfaturamento e fraudes.

De acordo com a PF, o esquema envolvia a contratação de empresas “fantasmas” e companhias ligadas ao mesmo grupo ou aos mesmos empresários para o fornecimento de material e prestação de serviços em áreas como saúde, obras de engenharia, terraplanagem/pavimentação e locação de veículos. Durante as licitações realizadas pelo município, há indícios de que um dos empresários beneficiados pelo esquema indicou um pregoeiro para garantir a vitória de empresas previamente selecionadas.

As evidências apontam que os suspeitos tinham contato prévio para ajustar quais empresas venceriam as licitações. Os empresários participantes do esquema chegaram a conhecer os documentos das licitações antes mesmo de serem oficialmente divulgados.

Há também fortes indícios de que os suspeitos – agentes públicos e empresários – acertaram entre si os valores de vantagens indevidas a serem pagas por conta do sucesso das empresas previamente selecionadas nos certames.

A investigação coletou provas da utilização de várias contas “laranjas”, incluindo servidores, ex-servidores municipais e pessoas sem condição socioeconômica para movimentar os valores revelados nos relatórios de inteligência financeira, bem como de empresas “fantasmas”, para lavar o dinheiro proveniente de atos de corrupção e possíveis desvios de recursos públicos.

Os crimes investigados incluem formação de organização criminosa, corrupção ativa e passiva, dispensa indevida de licitação, fraude à licitação e lavagem de dinheiro. As penas máximas, somadas, podem ultrapassar 42 anos de reclusão.

PUBLICIDADE
CONTEÚDO RELACIONADO
PUBLICIDADE
VEJA TAMBÉM
ÚLTIMAS
PUBLICIDADE
CONTEÚDO RELACIONADO
PUBLICIDADE
VEJA +

Notícias

Institucional

Para você

Notícias

Institucional

Para você