Teresina, 28 de maio de 2024
Logotipo do grupo DO POVO de Comunicação
BroadCast DO POVO. Serviço de notícias para veículos de comunicação com disponibilzação de conteúdo.
Pesquisar
Close this search box.
PUBLICIDADE

Flávio Dino é cotado para STF em meio ao jogo da sucessão presidencial

Flávio Dino, Ministro da Justiça, surge como potencial candidato para a vaga no STF, aberta com a aposentadoria da ministra Rosa Weber. Descubra mais sobre o apoio do PT à sua nomeação.
Flávio Dino é cotado para o STF, diz O GLOBO
Flávio Dino, ao lado de Barroso. Ministro da Justiça é cotado para o STF. Foto: oto: Wilson Dias

O ministro da Justiça, Flávio Dino (PSB-MA), é apontado como um possível indicado para a vaga aberta no Supremo Tribunal Federal (STF) com a aposentadoria da ministra Rosa Weber, marcada para outubro. As informações foram divulgadas pelo jornal O Globo, destacando que uma ala do Partido dos Trabalhadores (PT) apoia a possibilidade de Dino ser nomeado para a Corte.

Segundo o O Globo, a nomeação de Dino para o STF, um movimento que é apoiado nos bastidores por alguns membros do PT, não seria apenas pela sua competência jurídica, mas também pelas ramificações políticas e o jogo da sucessão presidencial.

Se Dino for nomeado para a vaga de Weber por Lula, o cargo de ministro da Justiça estaria disponível. Esta é uma posição poderosa com um orçamento significativo, responsável inclusive pela Polícia Federal. O PT poderia assumir o comando deste ministério, embora o PCdoB precisaria de uma contrapartida relevante ao ceder a posição.

No entanto, pessoas próximas a Dino, de acordo com O Globo, afirmam que o ministro sequer considera essa possibilidade, citando sua transição de juiz federal para a política, o que seria um movimento inverso ao que ocorreria se ele fosse para o STF.

No STF, Dino é visto como um candidato natural, com um juiz bem articulado politicamente afirmando reservadamente ao O Globo que Dino não encontraria resistência entre os outros membros do tribunal. No entanto, outros candidatos fortes também são mencionados para a posição, incluindo o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, e o presidente do Tribunal de Contas da União, Bruno Dantas.

No Planalto, a decisão é tratada com cautela. Todos reconhecem que a decisão final caberá ao presidente Lula, que deve escolher alguém de sua confiança. Lula também deve considerar as opiniões de seus aliados políticos e dos juízes da Corte, incluindo a ministra Rosa Weber, que se aposentará, e o ministro aposentado Ricardo Lewandowski. Os ministros Alexandre de Moraes e Gilmar Mendes, dois dos ministros mais próximos de Lula, não se oporiam à nomeação de Dino, conforme divulgado pelo O Globo.

Antes de ingressar na política, Dino foi juiz federal de carreira e professor de Direito da Universidade Federal do Maranhão (UFMA). Ele tem se mantido em estreita relação com o STF durante o terceiro mandato de Lula. No início do ano, Dino aumentou sua atuação junto à Corte durante as investigações dos ataques à sede do STF ocorridos em 8 de janeiro.

PUBLICIDADE
CONTEÚDO RELACIONADO
PUBLICIDADE
VEJA TAMBÉM
ÚLTIMAS
PUBLICIDADE
CONTEÚDO RELACIONADO
PUBLICIDADE
VEJA +

Notícias

Institucional

Para você

Notícias

Institucional

Para você