Teresina, 20 de maio de 2024
Logotipo do grupo DO POVO de Comunicação
BroadCast DO POVO. Serviço de notícias para veículos de comunicação com disponibilzação de conteúdo.
Pesquisar
Close this search box.
PUBLICIDADE

CPMI intensifica investigação do 8 de Janeiro e decide primeiras convocações

Arthur Maia, presidente da CPMI do 8 de Janeiro
Arthur Maia, presidente da CPMI. Foto: Bruno Spada/Câmara dos Deputados

A Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) intensifica a investigação dos atos golpistas do dia 8 de janeiro, com votação dos primeiros pedidos de convocação e de compartilhamento de informações prevista para esta terça-feira (13). Arthur Maia (União-BA), presidente da CPMI, programou a avaliação de 285 solicitações apresentadas por parlamentares, 62 das quais são provenientes da relatora do colegiado, Eliziane Gama (PSD-MA).

Maia tem agendada uma reunião crucial com o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Alexandre de Moraes, para negociar o acesso às informações dos inquéritos do STF que investigam os atos. O presidente da CPMI destacou, em entrevista à GloboNews, a extensa natureza e, em alguns casos, o sigilo dos dados coletados nestes inquéritos, sublinhando a importância da discussão com o ministro.

Dentre as solicitações, incluem-se convocações do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), Anderson Torres, ex-secretário de Segurança Pública do Distrito Federal, Mauro Cid, ex-auxiliar direto do ex-presidente, e Marco Edson Gonçalves Dias, General e Ministro-Chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI).

Outras personalidades citadas nos pedidos de convocação são Braga Netto, ex-ministro da Defesa e ex-candidato a vice-presidente, Fábio Augusto Vieira, ex-comandante da Polícia Militar do DF, Jorge Naime, ex-comandante de Operações Polícia Militar do DF, Saulo Moura da Cunha, ex-diretor-adjunto da Agência Brasileira de Inteligência (Abin), Silvinei Vasques, ex-diretor-geral da Polícia Rodoviária Federal (PRF) e Augusto Heleno, ex-ministro-chefe do GSI.

Plano de trabalho

Em documento de 79 páginas submetido no último dia 6, a relatora da CPMI, senadora Gama, esboçou seu plano de trabalho. Ela sugeriu iniciar as oitivas com Anderson Torres, citando a importância estratégica de seu papel à época na segurança pública do DF. Posteriormente, a senadora indicou a necessidade de ouvir Mauro Cid, em razão de uma minuta de decreto de Garantia da Lei e da Ordem (GLO) descoberta pela Polícia Federal, que estabeleceria uma base legal para um possível golpe de Estado. Ela assegurou à CNN Brasil que irá priorizar a convocação de Cid.

Com estas convocações, a comissão espera fazer progressos na investigação.

PUBLICIDADE
CONTEÚDO RELACIONADO
PUBLICIDADE
VEJA TAMBÉM
ÚLTIMAS
PUBLICIDADE
CONTEÚDO RELACIONADO
PUBLICIDADE
VEJA +

Notícias

Institucional

Para você

Notícias

Institucional

Para você