Teresina, 28 de maio de 2024
Logotipo do grupo DO POVO de Comunicação
BroadCast DO POVO. Serviço de notícias para veículos de comunicação com disponibilzação de conteúdo.
Pesquisar
Close this search box.
PUBLICIDADE

Bancadas buscam autonomia plena em possível reestruturação ministerial

Bancadas buscam espaços em possível reestruturação ministerial.
Reestruturação ministerial é foco dos partidos.

Com as possíveis mudanças na Esplanada dos Ministérios, uma das principais metas das bancadas contempladas é obter autonomia plena sobre as pastas que comandam. A substituição de Daniela Carneiro (sem partido-RJ) por Celso Sabino (União Brasil-PA) no Ministério do Turismo, por exemplo, representa uma ameaça para o cargo de Marcelo Freixo (PT-RJ), presidente da Embratur.

O partido União Brasil busca indicar um aliado para ocupar o posto. A saída de Freixo abriria espaço para que o Centrão pressionasse o PT a abrir mão de outros cargos em situação semelhante. Um exemplo é a presidência dos Correios: embora esteja ligada ao Ministério das Comunicações, de Juscelino Filho (União Brasil-MA), a cúpula da estatal é composta por membros do PT. O advogado Fabiano Silva, próximo ao grupo Prerrogativas, ligado ao PT, ocupa a presidência.

A atuação do governo nas negociações envolve o compromisso dos partidos aliados em manter quadros petistas em cargos estratégicos com grandes orçamentos, como a presidência da Itaipu Binacional, Petrobras e diretorias da Codevasf.

Parte da bancada do PT no Congresso e alguns ministros, como Rui Costa, da Casa Civil, acreditam que atender às demandas do Centrão – como liberação de emendas, indicação de cargos e mudanças nos ministérios – pode resolver problemas atuais, mas não evitará dificuldades futuras para o governo.

A possível reestruturação ministerial gera expectativas e tensões entre as bancadas, que buscam garantir sua influência e autonomia dentro do governo. A disputa por cargos estratégicos reflete as negociações políticas em curso e o equilíbrio delicado entre as diferentes forças dentro da base aliada. O desenrolar dessas discussões vai determinar o futuro da composição ministerial e as perspectivas de governabilidade do atual governo.

PUBLICIDADE
CONTEÚDO RELACIONADO
PUBLICIDADE
VEJA TAMBÉM
ÚLTIMAS
PUBLICIDADE
CONTEÚDO RELACIONADO
PUBLICIDADE
VEJA +

Notícias

Institucional

Para você

Notícias

Institucional

Para você