Teresina, 21 de abril de 2024
Logotipo do grupo DO POVO de Comunicação
BroadCast DO POVO. Serviço de notícias para veículos de comunicação com disponibilzação de conteúdo.
Pesquisar
Close this search box.
PUBLICIDADE

Bolsonaro está entre a inelegibilidade e a influência inabalável

Futuro incerto e ameaça de prisão tornam a trajetória de Jair Bolsonaro no cenário político brasileiro ainda mais turbulenta
Bolsonaro pode ser preso? Entenda as incertezas que pairam sobre o futuro político do ex-presidente da direita brasileira.
Bolsonaro pode ser preso? Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil

Quase cinco anos se passaram desde que Jair Bolsonaro assumiu a presidência do Brasil em 2019. Sete desses meses foram sob o governo de Luiz Inácio Lula da Silva, que voltou ao poder e lançou uma série de desafios para Bolsonaro, tanto em sua vida pública quanto privada.

Neste intervalo, Bolsonaro perdeu a eleição, o poder e também a elegibilidade. Mas não a popularidade, que parece inabalável.

A queda e o renascimento político

Depois de perder a reeleição e sua elegibilidade, Bolsonaro se encontra em um paradoxo político. Embora inelegível, sua influência política e popularidade parecem inabaláveis. O ex-presidente continua sendo uma figura polarizadora que comanda uma legião de seguidores, tanto online quanto offline.

A batalha nas redes sociais

Um exemplo palpável dessa influência é sua presença nas redes sociais. Uma recente entrevista de Bolsonaro no programa Pânico, da Jovem Pan, acumulou mais de 1,3 milhões de visualizações no YouTube. Comparativamente, o canal de Lula na mesma plataforma tem 1,33 milhões de inscritos, enquanto o de Bolsonaro ostenta 6,45 milhões. No Instagram, a disparidade é ainda mais evidente: Lula tem 13 milhões de seguidores, contra 25 milhões de Bolsonaro.

O ex-presidente Bolsonaro continua influenciando, tanto nas redes sociais quanto fora delas, milhares de apoiadores que o seguem para onde quer que vá, e em qualquer post que ele publique.

Bolsonaro durante em entrevista ao Pânico da Jovem Pan
Entrevista ao Pânico no dia 3 de julho alcançou 1,3 milhões de visualizações no Youtube

O dilema da esquerda

A esquerda brasileira está ciente do potencial de Bolsonaro de influenciar as eleições de 2026, mesmo que indiretamente. Ele é visto como uma ameaça latente, um “fantasma” que assombra o Palácio do Planalto. A incerteza é tão palpável que qualquer deslize do governo atual pode reverter a lealdade dos eleitores, catapultando-os de volta para o campo bolsonarista.

O labirinto jurídico

Apesar da popularidade, Bolsonaro enfrenta um labirinto de acusações legais. Ele é objeto de múltiplos inquéritos no Supremo Tribunal Federal (STF), que vão desde os atos antidemocráticos de 8 de janeiro até alegações de genocídio indígena e má gestão da pandemia de COVID-19. Ainda assim, até o momento, essas acusações não parecem ter abalado sua base de apoio.

O xadrez político para 2026

Enquanto isso, dentro do espectro político da direita, onde se encontram partidos como o PL, Progressistas e Republicanos, já se iniciou uma corrida silenciosa para encontrar um sucessor viável para Bolsonaro. Os nomes mais cotados são o governador de São Paulo, Tarcisio de Freitas, e a senadora Tereza Cristina, vista como uma peça-chave em futuras alianças políticas.

O cenário é complexo e fluido. Bolsonaro, mesmo afastado do poder, continua sendo uma força a ser reconhecida e um enigma para seus adversários. Ele é, em muitos aspectos, o “elefante na sala” da política brasileira: impossível de ignorar, difícil de contornar.

Bolsonaro pode ser preso?

De inquéritos domésticos a denúncias internacionais

O ex-presidente Jair Bolsonaro enfrenta um complexo cenário legal, marcado por uma série de inquéritos e acusações que vão desde o âmbito nacional ao internacional. No Supremo Tribunal Federal (STF), Bolsonaro é objeto de sete investigações distintas, abrangendo acusações de incitação pública à prática de crimes e atos antidemocráticos. Um dos casos mais notórios envolve um vídeo em que o ex-presidente questiona a integridade das eleições de 2022.

Além das fronteiras brasileiras, Bolsonaro também é alvo de seis denúncias em tramitação no Tribunal Penal Internacional (TPI). As acusações variam desde a gestão inadequada da pandemia de COVID-19 até alegações de genocídio indígena e aumento do desmatamento na Amazônia.

No cenário doméstico, outros cinco inquéritos no STF investigam Bolsonaro por uma variedade de delitos, incluindo vazamento de dados e disseminação de fake news. Um dos casos mais emblemáticos é o da adulteração de dados de cartões de vacina, que resultou na prisão do tenente-coronel Mauro Cid, ex-ajudante de ordens do ex-presidente.

Apesar de perder o foro privilegiado, Bolsonaro ainda enfrenta inquéritos críticos sob a supervisão do ministro Alexandre de Moraes. Recentemente, o ministro autorizou a quebra do sigilo bancário do ex-presidente e da ex-primeira-dama, Michele Bolsonaro. A Polícia Federal também obteve acesso aos dados do celular do advogado Frederick Wassef, associado à família Bolsonaro.

A postura do STF em relação a Bolsonaro é majoritariamente crítica, conforme evidenciado por declarações recentes do ministro Luís Barroso, que proclamou: “Nós derrotamos o bolsonarismo”. Com exceção dos ministros Nunes Marques e André Mendonça, indicados por Bolsonaro, a corte tende a ser desfavorável ao ex-presidente em seus julgamentos.

O caso dos presentes de luxo

Em uma nova reviravolta, uma operação da Polícia Federal, autorizada pelo Supremo Tribunal Federal (STF), colocou o ex-presidente Jair Bolsonaro e seus aliados sob os holofotes por suspeitas de desvio de presentes de alto valor. O ministro Alexandre de Moraes autorizou a operação que teve como alvos quatro indivíduos: Mauro Cesar Barbosa Cid, seu pai, o general Mauro Cesar Lourena Cid, o ex-ajudante de ordens de Bolsonaro, tenente Osmar Crivelatti, e o advogado Frederick Wassef.

Frederick Wassef, advogado de Bolsonaro, admitiu ter recomprado Rolex
Frederick Wassef

O leilão dos relógios de luxo

Os presentes em questão, que incluem relógios de marcas renomadas como Rolex e Patek Philippe, foram levados a leilão em Nova York pela Fortuna Auctions. Com um valor inicial de US$ 50 mil, as peças luxuosas, no entanto, não encontraram compradores. O Rolex foi recomprado por Frederick Wassef.

Acusações e destino do dinheiro

Bolsonaro e os outros investigados são suspeitos de desviar presentes de alto valor que foram recebidos durante viagens internacionais e entregues por autoridades estrangeiras. Segundo a investigação, o dinheiro obtido com a venda desses presentes era convertido em espécie e incorporado ao patrimônio pessoal dos envolvidos. O esquema tinha como objetivo ocultar a origem, localização e propriedade dos valores, evitando assim o sistema bancário formal.

Declarações suspeitas

Mauro Cid, um dos alvos da operação, foi citado em relatórios da Polícia Federal discutindo métodos para movimentar o dinheiro obtido, preferencialmente em espécie, para evitar qualquer forma de rastreamento.

O poder de Bolsonaro mesmo sob ameaça de prisão

Enquanto as investigações se intensificam, a imprensa tem abordado, de forma cautelosa, a possibilidade real de prisão de Jair Bolsonaro. No entanto, essa discussão não é apenas um tabu na mídia, mas também um dilema para o Partido dos Trabalhadores (PT). O receio é palpável: qualquer movimento em direção à prisão do ex-presidente poderia inflamar ainda mais sua base de apoiadores, tornando-o um mártir político.

O PT se encontra em uma encruzilhada. Bolsonaro tornou-se uma espécie de “fantasma” que assombra continuamente o Palácio do Planalto. Sua habilidade de levantar R$17 milhões em doações é uma prova contundente de sua influência e poder de mobilização, algo que qualquer partido político consideraria intimidante.

O termo “bolsonaro pode ser preso” atingiu seu pico de interesse no Google Trends no último dia 18 de agosto, com uma pontuação máxima de 100. Isso indica que o público está altamente engajado e atento às possíveis ramificações legais para o ex-presidente.

Em um cenário político já polarizado, o PT enfrenta uma decisão delicada: apoiar ou não ações que possam levar à prisão de Bolsonaro. Com o risco de reforçar a popularidade do ex-presidente, o partido se vê em um impasse que vai além da estratégia política, entrando no campo da consciência eleitoral.

O cenário legal para Bolsonaro é um labirinto de complexidades e incertezas. Até agora, a maior parte das ações legais contra ele tem sido indiretas, focadas em indivíduos de seu círculo próximo.

O “elefante na sala” continua a ser uma presença inegável na política brasileira, desafiando os esforços do PT e de outros adversários para neutralizá-lo.

PUBLICIDADE
CONTEÚDO RELACIONADO
PUBLICIDADE
VEJA TAMBÉM
ÚLTIMAS
PUBLICIDADE
CONTEÚDO RELACIONADO
PUBLICIDADE
VEJA +

Notícias

Institucional

Para você

Notícias

Institucional

Para você