Teresina, 12 de abril de 2024
Logotipo do grupo DO POVO de Comunicação
BroadCast DO POVO. Serviço de notícias para veículos de comunicação com disponibilzação de conteúdo.
Pesquisar
Close this search box.
PUBLICIDADE

Escândalo silencioso: escravidão moderna revelada em pedreiras do Piauí

Descubra os detalhes da operação da Polícia Federal que resgatou 24 trabalhadores de condições análogas à escravidão em pedreiras do Piauí. Mergulhe na reportagem que expõe a chocante realidade do trabalho escravo no Brasil.
Polícia Federal faz operação e liberta 24 trabalhadores em pedreiras no Piauí.
Operação da Polícia Federal no Piauí liberta trabalhadores

Um assustador lembrete de que a escravidão contemporânea é um problema muito real, 24 trabalhadores foram resgatados de condições análogas à escravidão no Piauí. Este não é o Brasil de um século atrás, mas sim de maio de 2023. A ação conjunta entre a Polícia Federal, o Ministério do Trabalho e Previdência, o Ministério Público do Trabalho e o Ministério Público Federal revelou violações de direitos humanos indescritíveis em pedreiras em Jerumenha, Regeneração, Cristino Castro e Rio Grande do Piauí.

Durante quatro dias, de 8 a 11 de maio, auditores de trabalho e equipes da Polícia Federal encontraram trabalhadores submetidos a jornadas exaustivas, expostos a riscos de acidentes e sujeitos a condições degradantes. Os alojamentos eram inadequados, faltando abrigo contra intempéries como chuva e animais. Os locais de preparo e alimentação eram inapropriados e as instalações sanitárias, inadequadas.

Havia ausência de Equipamentos de Proteção Individual (EPIs), de instrumentos de trabalho e de materiais de primeiros socorros. A formalização do vínculo empregatício não existia, uma prática que viola a dignidade da pessoa humana e desrespeita direitos básicos conquistados pelos trabalhadores ao longo do tempo.

Medidas administrativas foram tomadas em resposta a esta situação chocante. Autos de infração foram lavrados para os responsáveis pelas atividades econômicas, e foram emitidas notificações para a cessação de atividades. Foram feitas exigências para regularização de diversas obrigações trabalhistas, rescisão dos contratos de trabalho e pagamento dos créditos trabalhistas. Termos de Ajustamento de Conduta foram celebrados e foi fixada indenização por danos morais individuais e coletivos, em razão da exploração da vulnerabilidade social dos trabalhadores.

Procedimentos criminais foram instaurados para apurar o delito de redução à condição análoga à de escravo, previsto no artigo 149 do Código Penal. Os trabalhadores resgatados foram informados sobre as condições degradantes às quais estavam sendo submetidos e orientados a regressar às suas cidades de origem.

Estes fatos são um grito para despertar a consciência da sociedade. A exploração da vulnerabilidade humana é uma praga social que exige uma solução imediata e eficaz. A necessidade de erradicar essa realidade anacrônica e cruel é agora, mais do que nunca, uma prioridade. Uma história que deveria pertencer ao passado ainda ecoa no presente e somente com ações decididas poderemos esperar alterar o curso desta narrativa.

PUBLICIDADE
CONTEÚDO RELACIONADO
PUBLICIDADE
VEJA TAMBÉM
ÚLTIMAS
PUBLICIDADE
CONTEÚDO RELACIONADO
PUBLICIDADE
VEJA +

Notícias

Institucional

Para você

Notícias

Institucional

Para você