Teresina, 15 de abril de 2024
Logotipo do grupo DO POVO de Comunicação
BroadCast DO POVO. Serviço de notícias para veículos de comunicação com disponibilzação de conteúdo.
Pesquisar
Close this search box.
PUBLICIDADE

Reforma tributária pode fragilizar a Federação, afirma Ives Gandra

Grandra afirma que a criação de um comitê diretor previsto na proposta ameaça a autonomia política, administrativa e financeira dos estados e municípios, conferindo à União um poder excessivo. O jurista também critica a falta de análise dos impactos econômicos nos municípios, estados e no Distrito Federal.
Ives Gandra alerta sobre a quesstão da Reforma Tributária.
Professor Ives Gandra. Foto: Ascom

O jurista decano, Professor Ives Gandra da Silva Martins, levantou uma série de preocupações acerca da atual proposta de reforma tributária em andamento no Congresso Nacional. O deputado Arthur Lira declarou que a reforma seria aprovada até o dia 7 de julho, ainda que a emenda constitucional definitiva não tenha sido apresentada ao público.

Gandra Martins, não se opõe à reforma em si, mas ressalta sua preocupação com a rapidez na tramitação e na aprovação da proposta: “Não sou contra a reforma, sou contra o açodamento da sua aprovação, em uma semana, sem passar pelos procedimentos para aprovação de uma emenda constitucional”. Segundo ele, o texto da proposta é um amálgama das PECs 45 e 110, mas introduz uma série de discussões novas que não foram debatidas nas comissões de Constituição e Justiça ou na Comissão Especial.

Se aprovada da maneira como está, a reforma poderia fragilizar a Federação, na visão do Professor. Para ele, o projeto ameaça as autonomias políticas, administrativas e financeiras que caracterizam uma entidade federativa. Especificamente, a proposta prevê a criação de um comitê diretor que, na prática, tornaria estados e municípios dependentes das decisões desse comitê, minando a autonomia financeira.

A análise do tributarista é severa: “O princípio federativo passa praticamente a inexistir; dando à União um poder extraordinário, até de natureza política”. Além disso, ele alerta que o projeto de lei fere o Regimento Interno do Congresso Nacional, da Câmara e do Senado, pois, para uma emenda constitucional ser aprovada, ela precisa passar pela CCJ, por uma Comissão Especial e 40 sessões da Casa Legislativa que a aprovará ou não.

Gandra critica a abordagem da reforma, argumentando que está sendo adotada uma simbiose das propostas das PECs 45 e 110, mas está sendo feita uma nova PEC sem passar pelos procedimentos necessários, tudo isso para ser aprovado em uma semana. Além disso, o Professor acredita que a proposta complexa, que muda todo o sistema tributário, precisaria de um período de discussão muito mais longo: “Por sua complexidade, essa proposta tem que ser discutida amplamente, um ano seria pouco”, defende.

O jurista também discute as mudanças nos setores de tributação, afirmando que a reforma irá desonerar a indústria, aumentar a tributação nos setores de serviços, comércio e agropecuária, e criará um fundo de compensação para os estados e municípios que saírem perdendo, resultando em uma maior carga tributária para os cidadãos.

Gandra Martins destaca a ausência de análises e projeções dos futuros impactos econômicos em cada um dos 5.570 municípios, nos 26 estados e no Distrito Federal. “Eu me uno ao governador Ronaldo Caiado, ao prefeito de Porto Alegre e ao prefeito de São Paulo, que estão extremamente preocupados e desejam interromper a tramitação para que haja discussões, ao invés de uma aprovação apressada”, afirma.

O jurista conclui com um apelo para que haja uma reflexão da sociedade e pede que todos considerem o impacto da reforma em todos os setores, não apenas na indústria que será desonerada. “Quero contribuir apenas para uma reflexão da sociedade, para que nós pensemos no Brasil e não consideremos os anúncios feitos nos jornais, patrocinados por aqueles que vão ser desonerados”, finaliza.

PUBLICIDADE
CONTEÚDO RELACIONADO
PUBLICIDADE
VEJA TAMBÉM
ÚLTIMAS
PUBLICIDADE
CONTEÚDO RELACIONADO
PUBLICIDADE
VEJA +

Notícias

Institucional

Para você

Notícias

Institucional

Para você