Teresina, 16 de julho de 2024
Logotipo do grupo DO POVO de Comunicação
BroadCast DO POVO. Serviço de notícias para veículos de comunicação com disponibilzação de conteúdo.
Pesquisar
Close this search box.
PUBLICIDADE

TSE constrói maioria e torna Bolsonaro inelegível até 2030

Com o placar de 4 a 1, TSE formou maioria para tornar Bolsonaro inelegível. Nunes Marques e Alexandre de Moraes ainda não votaram.
Bolsonaro internado nos EUA em razão de fortes dores abdominais
Ex-presidente Bolsonaro | Foto: Isac Nóbrega/PR

A inelegibilidade do ex-presidente Jair Bolsonaro parece estar no horizonte próximo, em um precedente político de peso marcado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Nesta última sexta-feira (30), a ministra Cármen Lúcia juntou-se à crescente corrente contrária a Bolsonaro, arrematando o placar provisório para 4 a 1 contra o ex-chefe de Estado. Pela maioria, Jair Bolsonaro já está inelegível até 2030 porque mesmo com os votos dos ministros Nunes Marques e Alexandre de Moraes – este último o atual presidente do TSE – pendentes, a maioria requerida para oficializar a inelegibilidade de Bolsonaro já foi alcançada.

O alvo da controvérsia é uma reunião envolvendo Bolsonaro e embaixadores estrangeiros no Palácio da Alvorada. No encontro, o ex-presidente lançou difamações ao sistema eleitoral brasileiro, carecendo completamente de provas. Enquanto a defesa de Bolsonaro alega que o escrutínio do sistema de votação eletrônico não deve ser tabu em uma democracia e rotula o encontro como diplomático, o voto da ministra Cármen Lúcia refuta esta visão.

A ministra sustentou que Bolsonaro emitiu ataques duros e assertivos contra ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) e do TSE, recheados de informações já desmentidas. Além disso, Lucia argumentou que a reunião com embaixadores detinha nuances eleitoreiras, satisfazendo o critério de gravidade – o potencial impacto do ato no processo eleitoral.

Com a maioria dos votos do TSE a favor da condenação, Bolsonaro poderá estar à margem das urnas até 2030, excluído de todas as eleições municipais, estaduais e federais. No entanto, uma condenação pelo TSE não é o fim da estrada para Bolsonaro. O ex-presidente tem direito a apelar da decisão, tanto para o próprio TSE como para o STF.

Dentre as opções para recurso, estão os embargos de declaração, a serem apresentados ao TSE, e o recurso extraordinário, endereçado ao STF. Enquanto o primeiro abordaria possíveis ambiguidades e contradições para reverter a potencial decisão de inelegibilidade e pavimentar o caminho para um posterior recurso ao STF, o recurso extraordinário teria que identificar violações de princípios constitucionais na decisão do TSE.

O julgamento de Bolsonaro pelo TSE é um acontecimento emblemático na política brasileira, com implicações profundas para o futuro do ex-presidente e com reflexos forte nas eleições presidenciais de 2024.

PUBLICIDADE
CONTEÚDO RELACIONADO
PUBLICIDADE
VEJA TAMBÉM

Eleição não é matemática

Eleição é uma manifestação da alma humana, e essa alma, rica em sentimentos e emoções, nunca pode ser completamente capturada por números.

ÚLTIMAS
PUBLICIDADE
CONTEÚDO RELACIONADO
PUBLICIDADE
VEJA +

Notícias

Institucional

Para você

Notícias

Institucional

Para você