Teresina, 28 de maio de 2024
Logotipo do grupo DO POVO de Comunicação
BroadCast DO POVO. Serviço de notícias para veículos de comunicação com disponibilzação de conteúdo.
Pesquisar
Close this search box.
PUBLICIDADE

Brasil lidera proposta para monitoramento do impacto da IA em direitos humanos na ONU

Brasil vai apresentar proposta em parceria com Dinamarca, Áustria e Coreia do Sul.

O governo brasileiro se prepara para submeter uma resolução no Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas (ONU), buscando instituir o monitoramento do uso de Inteligência Artificial (IA) em relação aos direitos fundamentais. O projeto é desenvolvido em parceria com países como a Dinamarca, Áustria e Coreia do Sul.

A intenção é que uma versão inicial do texto seja apresentada até o final de junho, com a votação prevista para ocorrer em julho. A iniciativa tem como principal objetivo reconhecer que, apesar de a IA proporcionar avanços significativos em diversos setores, também apresenta potenciais riscos para os direitos humanos. A resolução, por isso, realçará a importância de se proteger e promover tais direitos.

Informações diplomáticas sugerem que os governos estão ponderando solicitar à ONU a criação de um relator especial focado exclusivamente nas questões de inteligência artificial. Está também em pauta a proposta de se estabelecer um órgão responsável por monitorar o progresso da tecnologia, com habilidades para avaliar o impacto de novas decisões e propor recomendações aos governos.

Nesse contexto, a Dinamarca vem desempenhando um papel notável. O país aprovou em 2020 uma lei obrigatória sobre ética e uso da IA na coleta de dados. A legislação dinamarquesa exige que as empresas sejam transparentes quanto às suas políticas éticas de dados e informem os algoritmos usados em suas plataformas, além de exigir a inclusão dessas informações nos relatórios anuais das empresas. Multas diárias podem ser aplicadas àquelas que descumprirem a lei.

A proposta apoiada pelo Brasil surge em um momento no qual a ONU está debatendo o assunto da IA. O secretário-geral da ONU, António Guterres, recentemente expressou apoio à criação de um órgão internacional de vigilância para a IA, e defendeu a criação de protocolos que garantam que todos os aplicativos de IA sejam seguros, protegidos, responsáveis e éticos.

A ONU, antes de estabelecer tal organismo, está cogitando criar um órgão consultivo de alto nível para avaliar o cenário internacional e propor medidas que harmonizem a nova tecnologia com os direitos humanos e o Estado de Direito.

Em 2021, Michelle Bachelet, na época alta comissária da ONU para Direitos Humanos, fez um apelo por ações imediatas frente aos riscos sérios que a inteligência artificial pode representar para os direitos humanos.

Em maio de 2023, Volker Turk, atual chefe da ONU para Direitos Humanos, reforçou essa necessidade. Ele destacou as oportunidades e riscos trazidos pela IA e enfatizou que os direitos humanos devem ser incorporados à IA durante todo o seu ciclo de vida.

Recentemente, especialistas e relatores da ONU alertaram sobre os questionamentos ligados à aplicação da IA em sistemas de monitoramento biométrico, especialmente quando realizados sem o consentimento das pessoas. Eles reforçaram a necessidade de regulamentações rigorosas para tecnologias que alegam realizar o reconhecimento de emoções ou gênero.

Nesse cenário, a proposta brasileira representa uma contribuição relevante para o debate global sobre a utilização ética e responsável da IA. A iniciativa alinha-se aos esforços internacionais para estabelecer diretrizes e normas que garantam o uso seguro e ético da inteligência artificial, visando a proteção dos direitos humanos frente ao avanço tecnológico.

PUBLICIDADE
CONTEÚDO RELACIONADO
PUBLICIDADE
VEJA TAMBÉM
ÚLTIMAS
PUBLICIDADE
CONTEÚDO RELACIONADO
PUBLICIDADE
VEJA +

Notícias

Institucional

Para você

Notícias

Institucional

Para você