Teresina, 23 de maio de 2024
Logotipo do grupo DO POVO de Comunicação
BroadCast DO POVO. Serviço de notícias para veículos de comunicação com disponibilzação de conteúdo.
Pesquisar
Close this search box.
PUBLICIDADE

STF começa julgamento de 70 denúncias adicionais vinculadas aos atos golpistas de 8 de Janeiro

Alexandre de Moraes ministro do STF, foi o primeiro a votar 70 novas denúncias ligadas ao 8 de janeiro nesta sexta(1).
Alexandre de Morais foi o primeiro dos ministros a votar novas denúncias contra 70 pessoas acusadas de participação nos atos do 8 de janeiro
Ministro Alexandre de Moraes, relator do processo do 8 de Janeiro. Foto: Antonio Augusto

O Supremo Tribunal Federal (STF) iniciou nesta sexta-feira(2) o julgamento de outras 70 denúncias associadas aos atos golpistas que ocorreram em 8 de janeiro deste ano, resultando em invasões ao Palácio do Planalto, ao Congresso Nacional e ao próprio STF. As denúncias, apresentadas pela Procuradoria-Geral da República (PGR), incluem alegações de autoria, execução e incitação aos atos.

Até agora, a PGR apresentou um total de 1.390 denúncias relativas a esses atos. Com a conclusão deste julgamento, ainda haverá 145 denúncias pendentes de análise. Até agora, o STF já aceitou as denúncias contra 1.175 indivíduos ligados a esses incidentes, tornando-os réus.

Alexandre de Moraes foi o primeiro a votar

O Ministro Alexandre de Moraes, relator do caso, foi o primeiro a votar. Em seu voto, ele defendeu a aceitação das denúncias e enfatizou a importância da independência e harmonia entre os poderes do estado, além da garantia dos direitos fundamentais e dos instrumentos de fiscalização para a preservação de um Estado Democrático de Direito. Moraes categorizou as ações dos acusados como graves e alinhadas com os princípios fundamentais do Código Penal.

Os ministros do STF estão julgando as denúncias individualmente no plenário virtual e têm até 9 de junho para emitir seus votos.

Até agora, todas as denúncias contra os executores dos atos golpistas, aqueles presos na Praça dos Três Poderes em 8 de janeiro, foram aceitas por unanimidade. No entanto, houve divergências na corte sobre os casos dos supostos incitadores e autores intelectuais dos atos, que foram presos no dia seguinte em um acampamento em frente ao Quartel-General do Exército em Brasília. Alguns ministros, como Nunes Marques e André Mendonça, discordaram da maioria, argumentando que as provas contra esses acusados são insuficientes.

A expectativa é que todas as denúncias sejam julgadas ainda neste mês, mas os acusados têm o direito de recorrer contra a abertura de ações penais. Antes de chegar a uma decisão final sobre a condenação ou absolvição dos réus, a corte deve iniciar a produção de provas, coletar depoimentos de testemunhas de defesa e acusação e interrogar os réus. Não existe um prazo estabelecido para a conclusão do julgamento.

PUBLICIDADE
CONTEÚDO RELACIONADO
PUBLICIDADE
VEJA TAMBÉM
ÚLTIMAS
PUBLICIDADE
CONTEÚDO RELACIONADO
PUBLICIDADE
VEJA +

Notícias

Institucional

Para você

Notícias

Institucional

Para você