Teresina, 19 de abril de 2024
Logotipo do grupo DO POVO de Comunicação
BroadCast DO POVO. Serviço de notícias para veículos de comunicação com disponibilzação de conteúdo.
Pesquisar
Close this search box.
PUBLICIDADE

Navegando pelas complexidades da economia brasileira

Como acontece todo mês, o Senado publicou no último dia 25 o Relatório de Acompanhamento Fiscal com dados importantes da conomia brasileira. Como sempre, os números contam uma história complexa.

Vamos começar com o crescimento do PIB. O relatório prevê uma desaceleração no crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil. Após um crescimento de 2,9% em 2022, a expectativa é de que o PIB cresça 1,0% em 2023 e 1,4% em 2024. No médio prazo, a previsão de crescimento real do PIB é de 2,0%. Esses números podem parecer desanimadores, mas é importante lembrar que o crescimento econômico nem sempre é um processo suave e constante. Há altos e baixos, e o importante é a tendência de longo prazo.

Agora, vamos falar sobre a arrecadação extra. O relatório sugere que as medidas do governo podem gerar uma arrecadação extra de R$ 63,4 bilhões em 2023. Isso é uma boa notícia, certo? Bem, sim e não. O aumento na arrecadação é um bom sinal, pois indica que a economia está se recuperando. No entanto, a revisão nas receitas não administradas afetou as projeções da receita primária no horizonte de 2023 a 2032. A previsão para a receita primária líquida é de um nível de 17,9% do PIB em 2023 e de 18,3% do PIB em 2024. Portanto, embora a arrecadação extra seja uma boa notícia, ela vem com algumas ressalvas.

O relatório também destaca a importância de regras fiscais simples, mas o novo arcabouço fiscal proposto pelo governo se mostrou muito complexo. O fim da sistemática de pagamento de precatórios das ECs 113 e 114 aumenta os riscos de descumprimento da regra que limita o crescimento das despesas no médio prazo. Além disso, a necessidade de ampliação das receitas primárias do novo arcabouço fiscal ainda é um fator de incerteza fiscal. Em outras palavras, o novo arcabouço fiscal é um passo na direção certa, mas ainda há muitas incógnitas.

Finalmente, vamos falar sobre a dívida pública. A dívida pública bruta do governo federal foi de R$ 6,2 trilhões, ou 84,2% do PIB, um aumento de 1,2 pontos percentuais em relação ao mesmo período do ano anterior. A dívida líquida do setor público, por outro lado, foi de R$ 4,4 trilhões, ou 59,8% do PIB, um aumento de 0,8 pontos percentuais. O aumento da dívida pública é uma preocupação, pois pode levar a um aumento dos juros e a uma diminuição do investimento. No entanto, é importante notar que a dívida pública é apenas uma parte da história. O governo também tem ativos, como reservas internacionais e participações em empresas estatais, que podem ser usados para pagar a dívida.

Em resumo, o relatório apresenta um panorama misto da economia brasileira. Há sinais encorajadores, como o aumento da arrecadação e a implementação de um novo arcabouço fiscal. No entanto, também há desafios significativos, como a desaceleração do crescimento do PIB e o aumento da dívida pública.

Os números mostram que é necessário equilibrar o otimismo com a cautela. A economia brasileira tem potencial para crescer e prosperar, mas também enfrenta riscos significativos. A chave é a gestão cuidadosa e a tomada de decisões informada.

PUBLICIDADE
CONTEÚDO RELACIONADO
PUBLICIDADE
VEJA TAMBÉM
ÚLTIMAS
PUBLICIDADE
CONTEÚDO RELACIONADO
PUBLICIDADE
VEJA +

Notícias

Institucional

Para você

Notícias

Institucional

Para você