Teresina, 12 de abril de 2024
Logotipo do grupo DO POVO de Comunicação
BroadCast DO POVO. Serviço de notícias para veículos de comunicação com disponibilzação de conteúdo.
Pesquisar
Close this search box.
PUBLICIDADE

Manifestantes fazem protesto contra mudanças climáticas e ‘tingem’ Fontana di Trevi de preto

Protesto realizado por ativistas contra as mudanças climáticas na Fontana di Trevi, em Roma. Os manifestantes tingiram a famosa fonte de preto para chamar a atenção para a urgência de medidas ambientais.
Manifestantes protestaram em Roma neste domingo(21) e "tingiram" a Fontana di Trevi de preto.
Manifestantes "tingem" Fontana di Trevi de perto em protesto. Foto: Twitter

Roma – Neste domingo (21 de maio), ativistas que lutam contra as mudanças climáticas realizaram um ato de protesto na Fontana di Trevi, em Roma. Durante a manifestação, os participantes jogaram carvão diluído na água da famosa fonte, resultando em sua coloração preta. O objetivo do grupo era chamar a atenção para a necessidade de ações urgentes em relação ao meio ambiente.

Protesto e reivindicações

Os jovens ativistas, em um grupo composto por sete pessoas, ergueram cartazes com mensagens como “Não pagaremos por (combustíveis) fósseis” e entoaram gritos de que “nosso país está morrendo”. Identificando-se como membros do movimento Última Geração, eles emitiram um comunicado no qual pediam o fim dos subsídios públicos aos combustíveis fósseis. Além disso, vincularam os protestos às inundações mortais que têm assolado a região de Emilia-Romagna, no norte da Itália. Segundo o grupo, uma em cada quatro casas na Itália está em risco de inundação.

Críticas e repercussão

O prefeito de Roma, Roberto Gualtieri, expressou sua insatisfação com o protesto, criticando os ativistas e classificando os atos como “ataques absurdos” ao patrimônio artístico da cidade. Em sua conta no Twitter, Gualtieri declarou: “Basta desses ataques absurdos ao nosso patrimônio artístico”.

O ato dos ativistas na Fontana di Trevi chamou a atenção da imprensa e repercutiu nas redes sociais, levantando discussões sobre as questões ambientais e a necessidade de ações concretas para combater as mudanças climáticas. A ação radical dos manifestantes provocou debates sobre os limites das manifestações e suas consequências para o patrimônio histórico e cultural.

PUBLICIDADE
CONTEÚDO RELACIONADO
PUBLICIDADE
VEJA TAMBÉM
ÚLTIMAS
PUBLICIDADE
CONTEÚDO RELACIONADO
PUBLICIDADE
VEJA +

Notícias

Institucional

Para você

Notícias

Institucional

Para você