Teresina, 23 de maio de 2024
Logotipo do grupo DO POVO de Comunicação
BroadCast DO POVO. Serviço de notícias para veículos de comunicação com disponibilzação de conteúdo.
Pesquisar
Close this search box.
PUBLICIDADE

Harmonia fiscal e monetária é a nova diretriz da equipe econômica de Haddad

Ministério busca uma abordagem coordenada para enfrentar os desafios econômicos do Brasil. Analisando a diretriz econômica do Ministro da Fazenda Fernando Haddad, a reportagem explora a busca por uma harmonia entre as políticas fiscal e monetária no Brasil. O objetivo é coordenar a política econômica para a eficácia do sistema financeiro e o bem-estar da população.
Equipe de Fernando Haddad busca harmonia na políticas fiscal e monetária
Fernando Haddad. Foto: Lula Marques

Desde que Fernando Haddad assumiu o Ministério da Fazenda em dezembro de 2022, a frase acima tem sido uma diretriz para sua equipe econômica. Recentemente, Gabriel Galípolo, secretário-executivo do Ministério da Fazenda e nomeado para a Diretoria de Política Monetária do Banco Central, ecoou essa intenção, prometendo trabalhar pela harmonia entre as políticas fiscal e monetária, caso o Senado aprove sua nomeação.

A polêmica da política monetária e fiscal

A política monetária e fiscal, em teoria, funcionam em conjunto para regular a economia. A política monetária é geralmente responsável pelo controle da quantidade e custo do dinheiro em circulação, com o Banco Central no controle. Em contraste, a política fiscal refere-se à arrecadação e investimentos do governo, comandada pelo governo federal.

Apesar dessa divisão teórica, Haddad e sua equipe criticam a tendência da economia brasileira de aplicar políticas fiscais e monetárias que parecem contraditórias. Em suas palavras, estas são “dois braços do mesmo organismo que precisam funcionar juntos”.

Traduzindo a diretriz

Por trás desse lema, os especialistas veem uma tentativa de desencadear mudanças nas decisões econômicas que influenciam a vida cotidiana dos brasileiros. Isso inclui a definição da taxa de juros e o papel dos futuros investimentos públicos na estimulação da economia brasileira.

A professora Simone Deos, do Instituto de Economia da Universidade Estadual de Campinas, reiterou a importância da coordenação entre a política fiscal e monetária para a eficácia da política econômica. Em sua visão, o Ministério da Fazenda e o BC precisam trabalhar em conjunto ao fazer política econômica.

Impacto para o cidadão

Segundo o professor Carlos Pinkusfeld Monteiro Bastos, do Instituto de Economia da Universidade Federal do Rio de Janeiro, ao falar em harmonia fiscal e monetária, o ministro Haddad refere-se principalmente à taxa de juros e à necessidade de reduzi-la. “Isso é muito importante para o dia a dia do cidadão”, observou Bastos.

Desafios adiante

Com o Banco Central ganhando autonomia em 2021, a coordenação entre a política fiscal e monetária tornou-se mais desafiadora. Contudo, os economistas concordam que essa coordenação deve ser um objetivo do governo, garantindo uma abordagem mais eficaz para gerir a economia brasileira.

PUBLICIDADE
CONTEÚDO RELACIONADO
PUBLICIDADE
VEJA TAMBÉM
ÚLTIMAS
PUBLICIDADE
CONTEÚDO RELACIONADO
PUBLICIDADE
VEJA +

Notícias

Institucional

Para você

Notícias

Institucional

Para você