Teresina, 23 de maio de 2024
Logotipo do grupo DO POVO de Comunicação
BroadCast DO POVO. Serviço de notícias para veículos de comunicação com disponibilzação de conteúdo.
Pesquisar
Close this search box.
PUBLICIDADE

Petrobras deve anunciar o fim da política de paridade de importação de preços, segundo fonte do Governo

A Petrobras se prepara para encerrar a Política de Paridade de Importação (PPI) de preços, de acordo com fonte do Governo Federal. A proposta visa garantir a participação da Petrobras no mercado local, mas gera debates acalorados e preocupações sobre seu impacto financeiro. Enquanto os detalhes ainda não foram anunciados, o fim da PPI pode ter consequências significativas para a empresa e o mercado de petróleo no Brasil.
A Petrobras se prepara para encerrar a Política de Paridade de Importação (PPI) de preços, de acordo com fonte do Governo Federal.
Jean Paul Terra Prates, presidente da Petrobras. Foto: Ascom

A Petrobras está se preparando para anunciar o fim da Política de Paridade de Importação (PPI) de preços, de acordo com uma fonte do Governo Federal. A PPI atualmente permite que a Petrobras reajuste os preços internos em alinhamento com os preços internacionais. A promessa de campanha do Presidente Lula de encerrar a PPI tem sido uma demanda constante dos sindicatos que apoiam o atual governo e da esquerda do PT.

Há também concordância do Ministério de Minas e Energia sobre o assunto. A nova proposta é que a Petrobras pratique um preço que garantirá a sua participação no mercado local, desafio significativo considerando que o petróleo é uma commoditie.

Existem preocupações no mercado e dentro do próprio governo sobre se este será apenas um anúncio político ou se realmente haverá uma mudança prática.

Em um comunicado, a Petrobras confirmou que está estudando internamente essa mudança na política de preços, especialmente para a gasolina e o diesel. As eventuais alterações, diz a nota, serão baseadas em estudos técnicos, práticas de governança e procedimentos internos aplicáveis.

Jean Paul Prates, presidente da Petrobras, afirmou que a meta é buscar um equilíbrio entre o mercado internacional e a competitividade no país. Segundo ele, a nova metodologia considerará o critério de estabilidade versus volatilidade, evitando tanto a falta de reajuste como a frequência excessiva dos mesmos.

Essa mudança na política de preços da Petrobras tem gerado debates acalorados. O Ministro de Minas e Energia, Alexandre Silveira, criticou a Petrobras por ter trabalhado contra o Brasil nos últimos anos, vendendo gás de cozinha acima do preço da PPI. Por outro lado, Bruno Dantas, presidente do Tribunal de Contas da União, advertiu que se a política de preços da Petrobras for alterada, seria melhor fechar o capital da empresa.

O mercado e os acionistas da Petrobras estão cautelosos quanto à mudança proposta, com preocupações de que ela possa levar a perdas financeiras para a empresa. Enquanto os detalhes exatos da nova política de preços ainda não foram anunciados, o fim da PPI provavelmente terá um impacto significativo na Petrobras e no mercado de petróleo brasileiro como um todo.

PUBLICIDADE
CONTEÚDO RELACIONADO
PUBLICIDADE
VEJA TAMBÉM
ÚLTIMAS
PUBLICIDADE
CONTEÚDO RELACIONADO
PUBLICIDADE
VEJA +

Notícias

Institucional

Para você

Notícias

Institucional

Para você