Teresina, 19 de abril de 2024
Logotipo do grupo DO POVO de Comunicação
BroadCast DO POVO. Serviço de notícias para veículos de comunicação com disponibilzação de conteúdo.
Pesquisar
Close this search box.
PUBLICIDADE

Ciro Nogueira critica Lula, diz que big techs precisam pagar impostos e fala de liberdade no Brasil

🗣️💥 Na última edição do programa Pânico, da Jovem Pan, o ex-ministro-chefe da Casa Civil e senador Ciro Nogueira abordou temas polêmicos como a regulamentação das mídias sociais e fez duras críticas ao presidente Lula.
Senador Ciro Nogueira, durante entrevista à Jovem Pan, fez críticas ao presidente Lula
Ciro Nogueira faz duras críticas ao presidente Lula

Na última edição do programa Pânico, da Jovem Pan, o ex-ministro-chefe da Casa Civil do Governo Bolsonaro e senador Ciro Nogueira falou sobre diversos temas polêmicos. Durante a entrevista, Nogueira criticou a visita do ex-número dois do Banco Central ao Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), expressou preocupação com a regulamentação das mídias sociais e defendeu a eficácia das Comissões Parlamentares de Inquérito (CPIs).

O que Ciro Nogueira pensa sobre o MST

No curso da entrevista, o senador Ciro Nogueira expressou fortes críticas à visita do número dois do Banco Central, Gabriel Galípolo, ao Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST). Ele descreveu a decisão como um passo equivocado, aludindo à reputação do MST por atividades ilegais, como invasões de propriedades.

Nogueira enfatizou que essa visita envia um sinal preocupante, especialmente para uma figura que é amplamente esperada para assumir a presidência do Banco Central. Em vez disso, o senador sugeriu que tais figuras deveriam se engajar mais com a classe média, empresários e trabalhadores. Esses comentários refletem uma visão crítica de Nogueira sobre o MST e suas atividades.

“Uma pessoa que vai ser indicada para diretor do Banco Central que todos falam que vai ser o próximo presidente do Banco Central em vez de discutir com a classe média com os empresários com os trabalhadores vai se reunir com uma entidade que comete crimes no nosso país”, disse o senador.

A carreira política

Nogueira refletiu sobre sua longa carreira política e a influência de sua família em suas ambições. Nascido em uma família com uma forte presença política, o senador recordou sua primeira manifestação política quando tinha apenas 12 ou 13 anos, destacando o orgulho do trabalho que sua família realizou e do seu próprio serviço durante seus 30 anos no Parlamento. Essa experiência, segundo ele, deu a ele uma perspectiva única sobre os desafios e responsabilidades enfrentados por aqueles no serviço público.

A importância das CPIs

Relembrando sua trajetória política e sua longa experiência no Parlamento, Nogueira falou sobre a importância das CPIs. “É lógico que eles vão ter maioria, o governo vai ter maioria, mas o que comanda realmente CPI não é maioria ou minoria não é o relatório final, são os fatos”, destacou.

Sobre a regulamentação das redes sociais

Quando questionado sobre a regulamentação das mídias sociais, o senador mostrou preocupação com a possível censura e defendeu a responsabilidade e o tratamento justo das grandes empresas de tecnologia. “Não tô aqui para proteger criminoso lógico pessoas que cometem crime e internet outro dia vi um rapaz aí que foi assassinado por conta de uma fake News, sim coibir esse tipo de situação agora, hipótese nenhuma nós podemos coibir a denúncia, a liberdade”, afirmou.

Nogueira também mencionou a necessidade de as grandes empresas de tecnologia pagarem seus impostos, comparando a situação com a do Google, que segundo ele, fatura mais do que a Globo. “Essas grandes Big techs tem que pagar os seus impostos”, defendeu.

No entanto, ele ressaltou a complexidade de estabelecer regras para a mídia social. “Vamos criar jabuticaba sim certas às vezes aquele Brasil não pode ser só vai existir isso no Brasil dessa forma tem que ver a experiência no mundo como está acontecendo Eu acho que não pode ser isso afobadamente e nem no momento que se quer coibir”, comentou.

A entrevista mostrou um olhar crítico e reflexivo do senador Ciro Nogueira sobre a situação atual do país e os desafios que os políticos e a sociedade enfrentam no cenário atual.

Críticas de Ciro Nogueira ao presidente Lula

O senador Ciro Nogueira criticou duramente o presidente Lula (PT) durante a entrevista, referindo-se a ele como “um piloto que não assumiu” e acusou o governo de estar desorientado. Segundo Nogueira, o governo atual não tem sido capaz de apresentar medidas prioritárias claras ao Congresso Nacional, descrevendo isso como uma falha básica. Ele também afirmou que Lula parece frustrado e insinuou que o ex-presidente está mais preocupado com a vingança do que com a governança eficaz.

Nogueira também questionou a aptidão do Ministro Haddad para a economia, alegando que, embora seja bem-intencionado e trabalhador, ele não entende nada de economia. Além disso, o senador acredita que o atual governo está repleto de ministros que aspiram a ser pré-candidatos, cada um tentando derrubar o outro.

O senador também comentou sobre a deputada Gleisi Hoffmann, dizendo que ela parece frustrada por não ter sido escolhida como ministra. Ele comparou Gleisi a Eduardo Suplicy, dizendo que ambos são “fora da caixinha”. De acordo com Nogueira, a Hoffmann constantemente ataca o governo atual, a ponto de até mesmo inspirar inveja no senador por sua oposição implacável.

Em suma, Ciro Nogueira pintou uma imagem de um governo desorganizado e sem direção sob a liderança de Lula, com ministros ambiciosos competindo por poder e influência, enquanto grandes questões nacionais permanecem sem solução.

PUBLICIDADE
CONTEÚDO RELACIONADO
PUBLICIDADE
VEJA TAMBÉM
ÚLTIMAS
PUBLICIDADE
CONTEÚDO RELACIONADO
PUBLICIDADE
VEJA +

Notícias

Institucional

Para você

Notícias

Institucional

Para você