Teresina, 29 de fevereiro de 2024
Logotipo do grupo DO POVO de Comunicação
BroadCast DO POVO. Serviço de notícias para veículos de comunicação com disponibilzação de conteúdo.
Pesquisar
Close this search box.
PUBLICIDADE

Luta pelo Poder no Brasil: Bolsonaro ausente e Lula na ofensiva

Desde o início do mandato do Presidente Lula, o PT e toda esquerda brasileira vêm se unindo para se opor à direita no país. O recente levante de informação contra Bolsonaro é preparação para uma disputa política que definirá os rumos do Brasil nos próximos anos.
Lula

Desde que assumiu seu o mandato de presidente da República, Lula e seu partido, o PT, não tem descançado na tarefa de se opor à direita no Brasil. Os ataques à sedes dos Poderes em Brasília no triste 8 de janeiro, uma semana após a esquerda chegar novamente ao poder, se tornaram o combustível necessário para a escalada de oposição.

Com Bolsonaro ausente – o maior líder em votos da direita no país – o navio da direita tem ficado à deriva. Não há uma coordenação de oposição ao PT. A tragédia histórica dos Yanomanis, serviou para endominizar ainda mais o que foi o governo bolsonarista. Claramente o jornalismo se posiciona ao lado das pautas do atual governo. De um lado, a maioria dos grande veículos de comunicação constroem a imagem de um governo Lula redentor, do outro, um a um, muito em razão dos excessos, meio de comunicação que deram voz à direita são silenciados. Não sobraram muitos.

Na última semana, os partidos PP e PL, que deram sustentação e palanque ao ex-presidente Bolsonaro, uniram-se no Senado em torno da candidatura de Rogério Marinho(PL) para a presidência da Casa, formando assim uma frente à expectativas do senador Rodrigo Pacheco (PSD) de ser recondizido.

Há um equilíbrio na Câmara Federal entre esquerda e direita, considerando que muitos dos que foram eleito sob a sombra de Bolsonaro tendem a acompanhar as pautas do governo Lula por interesse ou sobrevivência política, resta para Senado a missão de construir um Poder intependente do Executivo, lá foi onde, não uma direita, mas em tese, a oposição ao PT, elegeu uma maioria.

Bolsonaro está ausente do Brasil e deve enfrentar uma maratona de processos jurídicos fomentado pela tentativa final de liquidar sua trajetória eleitoral. E é evidente que nesse cenário, já há quem se movimente para buscar a militância bolsonarista e convertê-la em votos na próxima eleição. Esse “legado” disputado é suficiente para eleger prefeitos no centro-sul e em algumas cidades da região Norte do país, mas com pouco eficiência entre eleitorado nordestino – dificilmente nos 9 estados do Nordeste esses votos verde-amarelo elegeriam, por exemplo, um prefeito das capitais desses estados. O PT não vai permitir isso.

Todo o levante de informação contra Jair Bolsonaro é uma preparação para varrer qualquer possibilidade de uma vitória da direita na base política do país. Lula, provavelmente, deve conseguir manter sua hegemonia no Nordeste e trabalhar duro para endemonizar ainda mais o bolsonarismo.

Não há santo nesse processo. Apenas o povo, que luta pelo pão nosso de cada dia.

PUBLICIDADE
CONTEÚDO RELACIONADO
PUBLICIDADE
VEJA TAMBÉM
ÚLTIMAS
PUBLICIDADE
CONTEÚDO RELACIONADO
PUBLICIDADE
VEJA +

Notícias

Institucional

Para você

Notícias

Institucional

Para você