Teresina, 29 de fevereiro de 2024
Logotipo do grupo DO POVO de Comunicação
BroadCast DO POVO. Serviço de notícias para veículos de comunicação com disponibilzação de conteúdo.
Pesquisar
Close this search box.
PUBLICIDADE

Gina Lollobrigida, atriz de 'O Corcunda de Notre Dame', morre aos 95 anos

A atriz italiana Gina Lollobrigida morreu aos 95 anos. A informação foi divulgada pela agência ANSA nesta segunda-feira, 16/1. O jornal “Corriere della sera” diz que a artista estava internada em um hospital em Roma desde setembro do ano passado por causa de uma fratura exposta no fêmur direito. Ela recebeu alta poucos dias depois. A causa da morte não foi divulgada.

Lollobrigida nasceu em 4 de julho de 1927 em Subiaco, na Itália e era filha de um fabricante de móveis. Na juventude, se mudou para Roma para estudar no Instituto de Belas Artes onde, anos mais tarde, participa do concurso de Miss Itália.

A partir daí, inicia sua jornada no cinema fazendo pequenas figurações em filmes populares do pós-guerra. Mas foi no início da década de 50 que a sua carreira explode ao estrelar filmes como “A Volta da Perdida” (1949), “A Rebelde” (1951) e “As Aventuras de Fanfan la Tulipe” (1952).

Já em 1956, a atriz protagoniza o clássico “O Corcunda de Notre Dame”. No papel da cigana Esmeralda, Lollobrigida se eternizou no cinema mundial. Ela ganhou um Globo de Ouro em 1961 e já foi considerada a mulher mais bela do mundo naquela época. Gina entrou para a calçada da fama em Hollywood em 2018.

Gina teve dois casamentos. Em 1949, casou-se com o médico eslavo Milko Skofic, que tornou-se seu empresário e com quem teve um filho, Milko Skofic Jr.. O casamento durou até 1971.

Já em 2006, 35 anos depois do seu divórcio, ela se casou com o espanhol Javier Rigau y Rafols, com quem compartilhava a vida desde 1984. Na época do casamento, a atriz tinha 75 anos, enquanto ele, 45. Anos depois, os dois se separaram e Lollobrigida processou o ex-marido por fraude.

Gina Lollobrigida tentou entrar no mundo político em duas ocasiões também. A primeira vez foi em 1999, quando concorreu às eleições parlamentares europeias como candidata dos democratas. E a segunda vez foi em setembro do ano passado. O motivo, segundo ela, é que estaria cansada “políticos conflituosos”.

G1

PUBLICIDADE
CONTEÚDO RELACIONADO
PUBLICIDADE
VEJA TAMBÉM
ÚLTIMAS
PUBLICIDADE
CONTEÚDO RELACIONADO
PUBLICIDADE
VEJA +

Notícias

Institucional

Para você

Notícias

Institucional

Para você