Conecte-se conosco

Editorial

Forças Armadas mandam recado a Bolsonaro: não é fácil virar ditador

Publicado

em

O presidente Bolsonaro conseguiu a proeza de tirar do sério as Forças Armadas. A saída do general Fernando Azevedo do Ministério da Defesa é um sinal claro disso. Não que Jair Bolsonaro não deva trocar seus ministros quando bem entender, não se trata disso, mas de mais uma nova crise instalada dentro do seu governo em plena pandemia.

A forma como Fernando Azevedo deixou o ministério – de surpresa – e com uma frase marcante em sua nota oficial: “Nesse período, perservei as Forças Armadas como instituições de Estado”.

Para bom entendedor, meia palavra basta. O general ao deixar o cargo não precisava ser mais claro. A independência das Forças Armadas está ameaçada.

O que muitos pensavam ser apenas marketing do presidente é, na verdade, uma ameaça real. Do início do ano para cá, Bolsonaro tem intensificado o uso e apologias ao golpe militar de 1964. Como sempre fez quando era candidato, como sempre fez nos momentos de pressão política para, digamos, esquentar a militância.

O problema os animos do país estão acirrados em meio à maior crise econômica e social causada pela pandemia da Covid-19 que já ceifou mais de 300 mil vidas. Ou Bolsonaro não entende isso, ou ele entende muito bem que esse é o momento ideal para tentar a aventura de uma ruptura institucional.

Ninguém sabe quais são as reais intenções do presidente Bolsonaro com suas palavras. Quinze dias atrás ele disse “Se eu levantar a minha caneta Bic e disser ‘Shazam‘, eu viro ditador”.

A julgar pela reação dos comandantes das Forças Armadas, não é assim tão fácil. Ainda existem pessoas com sensatas no Palácio do Planalto. Elas são as que acreditam que a vida não é tão fácil como contam as histórias em quadrinho e deram um recado a Bolsonaro: ao contrário do que ele pensa, não é fácil virar ditador.

Levando a sério ou não o que diz Bolsonaro, suas palavras tem consequências e influências sobre a população. Podem arrefecer ou provocar crises. Até agora, elas só têm trazido problemas. E chegou mais um, com as Forças Armadas.

Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *