Conecte-se conosco

Política

‘Fomos obrigados a cortar parte do orçamento por uma necessidade de guerra’, diz ministro da Educação

Publicado

em

'Fomos obrigados a cortar parte do orçamento por uma necessidade de guerra', diz ministro da Educação

O ministro da Educação, Milton Ribeiro, declarou nesta segunda-feira (26) que o governo precisou escolher entre o investimento em pesquisa ou colocar comida na mesa de brasileiros, para justificar a redução de recursos da pasta que comanda. “Fomos obrigados a cortar parte do nosso orçamento, porque uma necessidade de guerra nos obrigou”, disse o ministro durante aula magna inaugural do semestre letivo 2021.1, na Universidade Federal da Paraíba (UFPB), em João Pessoa.

Na semana passada, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) sancionou o Orçamento de 2021 com cortes de quase R$ 30 bilhões. O Ministério da Educação foi o segundo mais atingido, com uma redução de quase R$ 4 bilhões, mesmo com desafio para a volta às aulas presenciais.

Além disso, um relatório da organização Todos pela Educação apontou que o Ministério da Educação não gastou os R$ 143,3 bilhões que tinha disponível em 2020 – o menor orçamento desde 2011.

Milton ribeiro, ministro da educação

Ainda conforme o ministro, o MEC providenciou 400 mil chips que foram distribuídos a alunos de baixa renda do ensino superior, mas mesmo assim, o problema da conexão com internet se agravou no Brasil.

“São 48 milhões de alunos e, se você imaginar, temos 54 mil escolas rurais que nem sinal de internet tem. Não adiantaria chegar um tablet, mas o MEC está procurando junto aos estado e municípios minimizar essa perda.”

Segundo o ministro, o governo está tentando mitigar os prejuízos que a pandemia causou com políticas como a autorização de R$ 4,3 bilhões para kit alimentação de crianças carentes. “Em termos educacionais vamos correr atrás, diagnosticando o nível do comprometimento para tomar as medidas na ocasião oportuna”, afirma.

Radical sobre questões de gênero

O minsitro Milton Riberio disse que é radical sobre questões de gênero. “A natureza diz que é homem, é XY, mas eles querem dizer que a pessoa pode escolher o que quer. Não pode ser assim. Nesse ponto eu sou bem radical.”

Milton Ribeiro, que é pastor evangélico, afirma que retirou questões de gênero do edital do Programa Nacional do Livro Didático (PNLD), pois não se pode comentar esse tipo de assunto com crianças.

No edital, também foram retirados trechos como “especial atenção para o compromisso educacional com a agenda da não-violência contra a mulher” e promover “negativamente a imagem da mulher”, além de excluir a palavra “democráticos” dos princípios éticos.

No evento da UFPB, ele explicou a decisão. “Crianças com 9, 10 anos, sabem ler, sabem tudo com respeito a essas senhoras aqui presente, sabem até colocar uma camisinha, mas não sabem que B + A é BA. Estava na hora de botar um basta nisso. Eu retirei do edital do livro didático questões de gêneros para crianças de 6 a 10 anos. Onde já se viu começar a discutir esses assuntos?”, questionou. 3 de 3 Ministro da Educação, Milton Ribeiro, em visita à UFPB, em João Pessoa, nesta segunda-feira (26) — Foto: Divulgação/UFPB

Algumas pautas da educação Brasil não foram citadas, a exemplo do recente erro que ‘sumiu’ com pelos menos 1,4 milhão de alunos dos cálculos do MEC.

Segundo o ministro, o Fundeb foi regularizado e um erro de computador foi detectado, mas o problema já teria sido resolvido. Ele ressaltou aumento de 23% de participação da União até 2026, proposta do Governo Bolsonaro. “

Isso foi uma vitória muito grande para nosso presidente. Esse fundeb agora vai ser auditável”.

milton ribeiro

Com informações do G1

Edição: Redação Portal DO POVO

=
Redação DO POVO

Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Seduc convoca Organizações da Sociedade Civil para eleição do Conselho do Fundeb

Publicado

em

Por

Seduc convoca Organizações da Sociedade Civil para eleição do Conselho do Fundeb

A Secretaria de Estado da Educação (Seduc) publica o Edital da Comissão Especial Eleitoral Nº 01/2021 que tem como objetivo regulamentar a eleição de Organizações da Sociedade Civil (OSC) que terão representante na composição do Conselho de Acompanhamento e Controle Social do Fundeb (CACS-Fundeb) do Estado do Piauí. As inscrições serão realizadas de 7 a 14 de maio e a assembleia de eleição no dia 24 de maio de 2021.

A Comissão Eleitoral é constituída por servidores da Seduc, que não possuem participação no CACS-Fundeb, e será responsável pela divulgação do edital, organização e realização da Assembleia de Eleição, até a divulgação final das Organizações da Sociedade Civil eleitas para indicarem representantes ao conselho.

A função de conselheiro do CACS-Fundeb não é remunerada, sendo considerada de relevante interesse social. Os representantes das OSCs interessados em exercê-la deverão atender aos requisitos de ter disponibilidade de tempo para participar das reuniões ordinárias e ter disponibilidade para participar dos encontros de formação.

Estão disponíveis duas vagas de titulares e duas vagas de suplentes para segmento de organizações da sociedade civil, para mandato de quatro anos.

A organização interessada em participar da eleição deverá imprimir e preencher o requerimento de inscrição e encaminhar juntamente com toda a documentação exigida no edital, em um único arquivo, por meio do endereço eletrônico ([email protected]).

A Assembleia de Eleição será realizada no dia 24 de maio de 2021, na modalidade de videoconferência, pela plataforma Zoom ou equivalente, cujo link de acesso será enviado antecipadamente às organizações habilitadas para o processo, no endereço eletrônico de envio da inscrição.

O resultado final da votação será divulgado e publicado no sítio eletrônico da Seduc. As organizações eleitas terão até o dia 25 de maio de 2021 para indicar o nome de seus representantes, titular e suplente.

Clique aqui e confira o edital

The post Seduc convoca Organizações da Sociedade Civil para eleição do Conselho do Fundeb appeared first on Governo do Piauí.

=
Com Informação do Governo do Piauí

Continue lendo

Política

Projeto da Residência Pedagógica realiza palestra sobre materiais didáticos no ensino remoto

Publicado

em

Por

Projeto da Residência Pedagógica realiza palestra sobre materiais didáticos no ensino remoto

O subprojeto Letras Inglês, da Universidade Estadual do Piauí (Uespi) promoverá, nesta sexta-feira (7), de 10h às 12h, uma palestra como parte da Formação Continuada de Residentes e Preceptores, para alunos regulares do curso de Letras Inglês e demais interessados, por meio do Google Meet.

A palestra terá como tema “(Re)pensando matérias didáticos para ensino remoto: Entendendo os papéis das metodologias ativas”, e como palestrante, Patrícia Oliveira Lucas, da Universidade Federal do Piauí (UFPI).

As metodologias ativas são recursos necessários da aprendizagem e mecanismos didáticos que colocam o aluno direta e ativamente como protagonista no processo de aquisição do conhecimento, principalmente nos meses de pandemia, com o ensino remoto.

“A metodologia ativa apresenta e convida alunos, com auxílio da tecnologia, para aprendizagem colaborativa, aprendizagem híbrida, aprendizagem baseada em problemas, aprendizagem baseada em projetos, sala de aula invertida, portfólios e gamificação. Essas promovem autonomia do aprendiz”, explica a professora Maria Eldelita, coordenadora de área pedagógica de Letras Inglês.

Inscrições

A palestra contará com 50 vagas e as inscrições estão abertas até esta sexta (7), e podem ser feitas por meio do e-mail da coordenação do curso: [email protected]

The post Projeto da Residência Pedagógica realiza palestra sobre materiais didáticos no ensino remoto appeared first on Governo do Piauí.

=
Com Informação do Governo do Piauí

Continue lendo

Câmbio

Capa

Tempo

Caro leitor,

Diariamente você recebe dezenas notícias no seu whatsapp. Algumas são verdadeiras, outras não.

Por isso, é tão importante poder contar com uma fonte de informação confiável – e independente.

É isso que nós fazemos. Produzimos conteúdo. De relevância e com qualidade. Nós checamos as informações antes de publicar para que você receba apenas a verdade.

Nós analisamos os fatos para que você construa sua opinião. Nós entrevistamos pessoas, confrontamos autoridades e cobramos resultados do setor público.

O Jornal Diário do Povo faz jornalismo. E para fazer bem feito, nós precisamos do seu apoio. Assine o jornal. Custa pouco, mas vale muito. 

Banca de Jornal

Popular