Conecte-se conosco

Política

Forças Armadas e governo Bolsonaro em crise

Pujol, Ilques e Bermudez se reunem pela segunda vez em 24 horas

Publicado

em

Bolsonaro desagradou militares

A queda do ministro da Defesa, General Fernando Azevedo e Silva, provocou uma reação entre os comandantes das Forças Armadas. O general Edson Pujol (Exército), o almirante Ilques Barbosa (Marinha) e o tenente-brigadeiro Bermudez (Aeronáutica), se reuniram na noite de ontem(29) para avaliar a situação e decidirem se entregam os cargos.

Uma nova reunião foi marcada para esta terça-feira (30), desta vez com a presença do agora ex-ministro da Defesa e o do general Braga Netto, que é cotado para assumir o cargo.

A subsituição do general Fernando Azevedo foi publicada no Diário Oficial, mas não houve a nomeação do seu substituto. O cargo está vago. Um indicativo de que o presidente Bolsonaro aguarda o defescho da reunião entre os comandantes das três Forças armadas.

Segundo a jornalista Miriam Leitão, Jair Bolsonaro tem a intenção de substituir os comandantes das Forças Armadas. Fontes informaram que o alto comando só entrega os cargos com a certeza de que a independência das Forças Armadas – sua manutenção como Instituição de Estado e não de governo – estaria preservada com uma troca de comando.

Independente do desfecho, já há uma crise instalada entre Bolsonaro e as Forças Armadas. O que vai ser definido é a sua profundidade e quem conta com mais aliados dentro dos quartéis.

Bermudez, Ilques e Pujol se reunem com Fernando Azevedo e Braga Netto para tratrar do futuro das Forças Armadas no governo Bolsonaro.
Bermudez, Ilques e Pujol: comandantes das Forças Armadas em impasse com Bolsonaro

Os sinais da crise entre Bolsonaro e Forças Armadas

A queda do general Fernando Azevedo revelou algo de errado nas relações entre o governo Bolsonaro e os militares. A reunião do Alto Comando das Forças Armadas demonstrou que não se tratava apenas de uma mudança comum na titulariade do Ministério da Defesa.

Uma nova reunião marcada, desta vez com a presença de Azevedo e Braga Netto, evidencia claramente que há um impasse ainda não foi resolvido, fato confirmado no próprio Diário Oficial de hoje(30) onde não consta a nomeação de um novo ministro da Defesa.

Presidente Bolsonaro deve substituir comando das Forças Armadas

Apesar de ter uma influência sobre o Exército Brasileiro, sua origem como militar, e para quem dirigiu parte de discurso de campanha, o presidente Jair Bolsonaro não possui a mesma proximidade com a Marinha e Aeronáutica, onde setores o veem com desconfiança.

A maioria dos ministros militares têm origem no Exército. A Marinha tem apenas um dos postos mais relevantes, mas sem status de Ministério, ocupado pelo almirante Flávio Focha. Ele substituiu Fábio Wajngarten na Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência da República. A Aeronáutica não tem ninguem egresso dos seus quadros em cargos do nível de ministros.

Esse cenário de ocupação revela que Bolsonaro não é unaminidade entre os militares. Seja qual for a intenção do atual presidente da República, ela esbarra nas Forças Armadas.

2 Comentários

2 Comments

  1. Pingback: Golpe de 1964: o futuro pode repetir o passado? - Jornal Diário do Povo

  2. Pingback: Commodities Agrícolas: Acumulado do ano pode ser até 75% menor em 2021 - Jornal Diário do Povo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Déficit atuarial na Previdência da Prefeitura de Teresina passa de R$ 4 bilhões, diz presidente do IPMT

Publicado

em

IPMT apresenta déficit financeira e atuarial

Teresina – O presidente do Instituto de Previdência Municipal de Teresina, Kennedy Glauber, informou nesta quinta-feira (3) que a déficit atuarial do IPMT é de R$ 4,5 bilhões. Kennedy não informou a partir de quando esse déficit afetaria os pagamentos de aposentadorias e pensões de servidores.

Kennedy Glauber, presidente do IPMT, informou existir déficit aturial na ordem de R$ 4,5 bilhões.
Kennedy Glauber: “temos uma dificuldade muito grande nesse início de gestão”

Segundo o gestor, o Instituto possui também uma dívida financeira de R$ 152 milhões, o que indica que o IPMT já não consegue arcar com o pagamento das obrigações previdenciárias.

“O IPMT hoje tem uma dívida financeira de 152 milhões de reais é deixada pela gestão anterior, então nós temos feito as tratativas necessárias para que a gente possa estar vendo a melhor forma de estar recuperando esse recurso. Nós temos hoje no IPMT um déficit atuarial de 4,5 bilhões de reais recebemos na semana passada o relatório do atuário e temos realmente uma dificuldade muito grande nesse início de gestão.”

Kennedy Glauber, presidente do ipmt

O déficit atuarial é a projeção de que vai faltar dinheiro para pagar aposentadorias e pensões dos servidores municipais no futuro. Segundo a legislação, as avaliações atuariais anuais devem ser realizadas até 31 de dezembro de cada exercício.

Veja também

Continue lendo

Nacional

Fábio Wajngarten: o homem que pode eximir Bolsonaro ou condená-lo na CPI

Publicado

em

Por

Fábio Wajngarten depõe na CPI da Covid nesta quarta-feira(11)
Fábio Wajngarten | Foto Marcelo Camargo/Ag. Brasil
Sobre os ombros do ex-secretário de Comunicação da Presidência da República, advogado Fábio Wajngarten, pesa a responsabilidade de mudar os rumos da CPI da Covid no Senado Federal. Na primeira semana dos trabalhos da comissão, o governo Bolsonaro saiu derrotado em praticamente todos os depoimentos. Marcado para esta quarta-feira(12), o testemunho de Fábio Wajngarten pode […]
Continue lendo

Câmbio

Capa

Tempo

Caro leitor,

Diariamente você recebe dezenas notícias no seu whatsapp. Algumas são verdadeiras, outras não.

Por isso, é tão importante poder contar com uma fonte de informação confiável – e independente.

É isso que nós fazemos. Produzimos conteúdo. De relevância e com qualidade. Nós checamos as informações antes de publicar para que você receba apenas a verdade.

Nós analisamos os fatos para que você construa sua opinião. Nós entrevistamos pessoas, confrontamos autoridades e cobramos resultados do setor público.

O Jornal Diário do Povo faz jornalismo. E para fazer bem feito, nós precisamos do seu apoio. Assine o jornal. Custa pouco, mas vale muito. 

Banca de Jornal

Popular