Conecte-se conosco

Economia

Contas externas têm saldo negativo de US$ 3,97 bilhões em março

Publicado

em

Dólar fecha a R$ 5,44 e atinge menor nível em dois meses

As contas externas registraram saldo negativo de US$ 3,97 bilhões em março deste ano, de acordo com dados divulgados hoje (26) pelo Banco Central (BC). Em março de 2020, o déficit havia sido de US$ 4,257 bilhões nas transações correntes, que são as compras e vendas de mercadorias e serviços e transferências de renda do Brasil com outros países.

O chefe do Departamento de Estatísticas do BC, Fernando Rocha, destacou que, a partir deste mês, a comparação se dará sobre períodos impactados pela pandemia, que passou a influenciar os números em março do ano passado.

Entretanto, segundo ele, a causa dos resultados similares nas transações correntes entre os meses de março de 2020 e março de 2021 se deve, principalmente, em razão das importações no âmbito do Repetro – regime aduaneiro especial de exportação e de importação de bens que se destina às atividades de pesquisa e de lavra das jazidas de petróleo e gás natural – que foram de US$ 6,5 bilhões em março de 2021 ante US$ 1,6 bilhão em março de 2020.

De acordo com Rocha, isso diminuiu o resultado da balança comercial no mês passado. Com a menor contribuição do saldo da balança comercial, o déficit em transações correntes foi um pouco maior em março de 2021 do que seria sem o Repetro, se aproximando do resultado de março de 2020.

O Repetro suspende a cobrança de tributos federais na importação de equipamentos para o setor de petróleo e gás, principalmente as plataformas de exploração. Na comparação interanual, o saldo da balança comercial recuou US$ 2,5 bilhões, enquanto as despesas líquidas de renda primária e de serviços apresentaram retrações de US$ 1,8 bilhão e US$ 607 milhões, respectivamente.

Em 12 meses, encerrados em março, foi registrado déficit em transações correntes de US$ 17,834 (1,24% do Produto Interno Bruto – PIB), ante saldo negativo de US$ 18,121 bilhões (1,26% do PIB) em fevereiro de 2021 e déficit de US$ 71,041 bilhões (3,97% do PIB) no período equivalente terminado em março de 2020.

Balança comercial e serviços

As exportações de bens totalizaram US$ 24,613 bilhões em março, aumento de 33,7% em relação a igual mês de 2020. As importações somaram US$ 25,05 bilhões, incremento de 53,6% na comparação com março do ano passado. Com esses resultados, a balança comercial registrou déficit de US$ 437 milhões no mês passado, ante saldo positivo de US$ 2,09 bilhões em março de 2020.

O déficit na conta de serviços (viagens internacionais, transporte, aluguel de equipamentos, entre outros) manteve a trajetória de retração e atingiu US$ 1,057 bilhão em março, ante US$ 1,664 bilhão em igual mês de 2020.

No caso das viagens internacionais, as receitas de estrangeiros em viagem ao Brasil chegaram a US$ 213 milhões, enquanto as despesas de brasileiros no exterior ficaram em US$ 313 milhões. Com isso, a conta de viagens fechou o mês com déficit de US$ 100 milhões, ante US$ 227 milhões em março de 2020, recuo de 56,1%.

Entretanto, segundo Rocha, em março do ano passado, a conta de viagens já sofria o impacto da pandemia, pois em janeiro de 2020, esse déficit tinha sido de R$ 774 milhões, por exemplo. Isso significa que a conta de viagens deve continuar reduzida enquanto durarem as restrições de deslocamento e as pessoas não se sentirem dispostas a viajar.

Destaca-se também, na mesma base de comparação, a redução de 52,9% nas despesas líquidas de aluguel de equipamentos, de US$ 1,2 bilhão em março de 2020 para US$ 567 milhões em março de 2021. De acordo com Rocha, isso se deve pela nacionalização (importação) de equipamentos no âmbito do Repetro, ou seja, de bens que passam a ser propriedade de residentes no Brasil, sem a necessidade de pagamento de aluguel a não-residentes.

O chefe do BC explicou que o efeito ainda vai permanecer na base e ajuda a reduzir o déficit se serviços por um período maior.

Rendas

Em março de 2021, o déficit em renda primária (lucros e dividendos, pagamentos de juros e salários) chegou a US$ 2,993 bilhões, contra US$ 4,86 bilhões no mesmo mês de 2020.

A conta de renda secundária (gerada em uma economia e distribuída para outra, como doações e remessas de dólares, sem contrapartida de serviços ou bens) teve resultado positivo de US$ 518 milhões, contra US$ 177 milhões em março de 2020.

Investimentos

Os ingressos líquidos em investimentos diretos no país (IDP) somaram US$ 6,864 bilhões no mês, ante US$ 7,386 bilhões em março de 2020. Nos 12 meses encerrados em março de 2021, o IDP totalizou US$ 39,256 bilhões, correspondendo a 2,73% do PIB, em comparação a US$ 39,778 bilhões (2,76% do PIB) no mês anterior e US$ 68,748 bilhões (3,84% do PIB) em março de 2020.

De acordo com Rocha, o IDP em 12 meses se reduziu em função dos choques da pandemia e das incertezas dos empresários ao longo do ano.

Quando o país registra saldo negativo em transações correntes, precisa cobrir o déficit com investimentos ou empréstimos no exterior. A melhor forma de financiamento do saldo negativo é o IDP, porque os recursos são aplicados no setor produtivo e costumam ser investimentos de longo prazo. Apesar de os investimentos estarem menores neste ano, no acumulado de 12 meses o IDP supera o déficit nas contas externas, que também se reduziu por causa da crise gerada pela pandemia.

Em março, houve saída líquida de investimento em carteira no mercado doméstico no total de US$ 2,084 bilhões, contra US$ 22,228 milhões de saída líquida em igual período de 2020. No caso das ações e fundos de investimento, houve saída de US$ 2,996 bilhões. Já os investimentos em títulos de dívida tiveram entrada líquida de US$ 912 milhões.

Rocha explicou que já há a recomposição líquida de investidores estrangeiros no mercado doméstico, após as perdas com a pandemia. De fevereiro a maio de 2020, houve uma saída de US$ 35,3 bilhões, recuperados de junho a fevereiro de 2021, com ingresso de US$ 35,2 bilhões.

Já em março desde ano, houve uma saída líquida e a projeção para abril é de um valor mais ou menos zerado. Segundo ele, não é possível afirmar que exista uma tendência de saídas líquidas, já que o resultado de março foi pontual comparado à estabilidade que deve ocorrer em abril.

O estoque de reservas internacionais atingiu US$ 347,413 bilhões em março de 2021, redução de US$ 8,7 bilhões em comparação a março de 2020.

Para o mês de abril de 2021, a estimativa do Banco Central para o resultado em transações correntes é de superávit de US$ 5,7 bilhões, enquanto a de IDP é de ingressos líquidos de US$ 4,9 bilhões.

*Terceiro parágrafo da matéria foi modificado às 14h58 para esclarecer informação sobre impacto no Repetro no resultado das contas externas.

=
Com Informação da Agência Brasil

Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Copom eleva juros básicos da economia para 3,5% ao ano

Por unanimidade, o Comitê de Política Monetária (Copom) elevou a taxa Selic de 2,75% para 3,5% ao ano. A decisão era esperada pelos analistas financeiros.

Publicado

em

Por

Mercado financeiro espera que Selic suba para 3,5% ao ano nesta semana

Em meio ao aumento da inflação de alimentos, combustíveis e energia, o Banco Central (BC) subiu os juros básicos da economia em 0,75 ponto percentual pela segunda vez consecutiva. Por unanimidade, o Comitê de Política Monetária (Copom) elevou a taxa Selic de 2,75% para 3,5% ao ano. A decisão era esperada pelos analistas financeiros.

Com a decisão de hoje (5), a Selic continua em um ciclo de alta, depois de passar seis anos sem ser elevada. De julho de 2015 a outubro de 2016, a taxa permaneceu em 14,25% ao ano. Depois disso, o Copom voltou a reduzir os juros básicos da economia até que a taxa chegasse a 6,5% ao ano, em março de 2018.

Em julho de 2019, a Selic voltou a ser reduzida até alcançar 2% ao ano em agosto de 2020, influenciada pela contração econômica gerada pela pandemia de covid-19. Esse era o menor nível da série histórica iniciada em 1986.

Inflação

A Selic é o principal instrumento do Banco Central para manter sob controle a inflação oficial, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). Em março, o indicador fechou no maior nível para o mês desde 2015 e acumula 6,1% no acumulado de 12 meses, pressionado pelo dólar e pela alta dos combustíveis e do gás de cozinha.

O valor está acima do teto da meta de inflação. Para 2021, o Conselho Monetário Nacional (CMN) tinha fixado meta de inflação de 3,75%, com margem de tolerância de 1,5 ponto percentual. O IPCA, portanto, não podia superar 5,25% neste ano nem ficar abaixo de 2,25%.

No Relatório de Inflação divulgado no fim de março pelo Banco Central, a autoridade monetária estimava que, em 2021, o IPCA fecharia o ano em 5% no cenário base. Esse cenário considera um eventual estouro do teto da meta de inflação no primeiro semestre, seguido de queda dos índices no segundo semestre.

A projeção está em linha com as previsões do mercado. De acordo com o boletim Focus, pesquisa semanal com instituições financeiras divulgada pelo BC, a inflação oficial deverá fechar o ano em 5,04%. A projeção oficial só será atualizada no próximo Relatório de Inflação, no fim de junho

Crédito mais caro

A elevação da taxa Selic ajuda a controlar a inflação. Isso porque juros maiores encarecem o crédito e desestimulam a produção e o consumo. Por outro lado, taxas mais altas dificultam a recuperação da economia. No último Relatório de Inflação, o Banco Central projetava crescimento de 3,6% para a economia em 2021, decorrente da segunda onda da pandemia de covid-19.

O mercado projeta crescimento menor. Segundo a última edição do boletim Focus, os analistas econômicos preveem expansão de 3,14% do Produto Interno Bruto (PIB, soma dos bens e serviços produzidos pelo país) neste ano.

A taxa básica de juros é usada nas negociações de títulos públicos no Sistema Especial de Liquidação e Custódia (Selic) e serve de referência para as demais taxas de juros da economia. Ao reajustá-la para cima, o Banco Central segura o excesso de demanda que pressiona os preços, porque juros mais altos encarecem o crédito e estimulam a poupança.

Ao reduzir os juros básicos, o Copom barateia o crédito e incentiva a produção e o consumo, mas enfraquece o controle da inflação. Para cortar a Selic, a autoridade monetária precisa estar segura de que os preços estão sob controle e não correm risco de subir.

Com Informação da Agência Brasil

Continue lendo

Economia

Dólar cai para R$ 5,36 à espera de aumento na taxa Selic

O dólar voltou a fechar abaixo de R$ 5,40 e caiu para o menor nível em uma semana.

Publicado

em

Por

Dólar cai para R$ 5,36 à espera de aumento na taxa Selic

Num dia de expectativa em relação à reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), o dólar voltou a fechar abaixo de R$ 5,40 e caiu para o menor nível em uma semana. A bolsa de valores recuperou-se da queda de ontem (4) e teve a maior alta diária em um mês.

O dólar comercial encerrou esta quarta-feira (5) vendido a R$ 5,365, com recuo de R$ 0,066 (-1,21%). Esse é o menor valor desde 29 de abril, quando a moeda norte-americana tinha fechado em R$ 5,337.

A cotação chegou a subir para R$ 5,44 no início da sessão, mas despencou ao longo do dia. Na mínima da sessão, por volta das 15h50, o dólar chegou a ser vendido a R$ 5,35. A divisa acumula queda de 1,23% em maio e alta de 3,39% em 2021.

No mercado de ações, o dia foi marcado pela recuperação. O índice Ibovespa, da B3, fechou o dia aos 119.564 pontos, com alta de 1,57%. Esse foi o melhor desempenho diário da bolsa desde 5 de abril. As ações da Petrobras, as mais negociadas no Ibovespa, tiveram altas superiores a 4%, impulsionadas pelo aumento da demanda internacional de petróleo.

Tanto fatores domésticos como externos impulsionaram o mercado nesta quarta-feira. No nível internacional, o índice Dow Jones, da Bolsa de Nova York, bateu recorde, estimulado pela recuperação da economia norte-americana num cenário de queda de casos de covid-19.

No cenário interno, a expectativa de que o Banco Central eleve a taxa Selic (juros básicos da economia) para 3,5% ao ano na reunião de hoje estimula a entrada de capitais no país. Caso o Banco Central aumente a taxa para 4% ao ano na próxima reunião do Copom, o Brasil estará com juros básicos semelhantes aos do México.


Com Informação da Agência Brasil

Continue lendo

Câmbio

Capa

Tempo

Caro leitor,

Diariamente você recebe dezenas notícias no seu whatsapp. Algumas são verdadeiras, outras não.

Por isso, é tão importante poder contar com uma fonte de informação confiável – e independente.

É isso que nós fazemos. Produzimos conteúdo. De relevância e com qualidade. Nós checamos as informações antes de publicar para que você receba apenas a verdade.

Nós analisamos os fatos para que você construa sua opinião. Nós entrevistamos pessoas, confrontamos autoridades e cobramos resultados do setor público.

O Jornal Diário do Povo faz jornalismo. E para fazer bem feito, nós precisamos do seu apoio. Assine o jornal. Custa pouco, mas vale muito. 

Banca de Jornal

Popular