Conecte-se conosco

Cidades

Teresina não registra mortes por dengue, chikungunya ou zica em 2021

Publicado

em

Teresina não registra mortes por dengue, chikungunya ou zica em 2021

Teresina não registrou nenhum óbito provocado por dengue, chikungunya ou zica este ano. Também teve queda acentuada nas notificações de casos e na confirmação por exames de laboratório e clínico-epidemiológico no período de janeiro a 5 de julho de 2021, em relação ao mesmo período do ano passado.

De dengue foram confirmados nesse período 303 casos este ano e 783 no ano passado. Os casos de chikungunya caíram de 83 em 2020 para 25 em 2021. Em relação à zica houve o aumento, tendo apenas um caso no ano passado para 3 casos este ano. Os dados são da SINAN/GEEPI/DVS/FMS.

Os bairros com maior incidência de casos em 2020 foram na zona Norte: São Joaquim com 54 casos, Matadouro com 47 e Mafrense 40. Este ano os bairros que tiveram maior quantidade de casos foram São Joaquim com 26 casos, Matadouro com 18 e Mafrense com 15.

O gerente de Zoonoses da Fundação Municipal de Saúde (FMS), Paulo Marques, informa que a Gerência de Zoonoses conta com o trabalho dos agentes de endemias com identificação e eliminação dos criadouros do mosquito transmissor dessas três doenças. “Estamos satisfeitos com esses dados de redução e de nenhuma morte provocada por elas este ano em Teresina. Destacamos o trabalho dos agentes de combate às endemias, que é realizado diariamente, com a ida às residências em toda a cidade. É um trabalho minucioso com eliminação de criadouros de mosquitos que podem transmitir doenças e com orientações para limpeza de espaços que podem ser possíveis criadouros”, diz o gerente.

Sobre a redução de casos em Teresina, a diretora de Vigilância em Saúde da FMS, Amariles Borba, analisa que não existe um fator determinante para essa redução, mas algumas hipóteses devem ser consideradas. “Será se por causa da pandemia as pessoas estão mais tempo em casa e mais atentas à limpeza dos quintais? As pessoas estão eliminando os criadouros do mosquito ou o vírus que circula é o que já teve mais casos em Teresina? O que sabemos é que a pessoa só é infectada uma vez por cada vírus e este ano pode ser o caso do vírus que já teve prevalência ”, cita.

A diretora explica que a dengue é cíclica e tem alguns anos de menor incidência e outros com mais casos. Ela cita que no Brasil circulam 4 tipos de vírus e a pessoa é acometido por um vírus a cada vez e quando tem surto é por vírus preponderante.

Foto: Divulgação (FMS)

=
Com Informação da Prefeitura de Teresina

Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Cidades

Equipes de limpeza conscientizam população da zona sul sobre o descarte irregular de lixo

Publicado

em

Por

Equipes de limpeza conscientizam população da zona sul sobre o descarte irregular de lixo

Dando continuidade ao trabalho de conscientização da população sobre o descarte irregular de lixo, as equipes de Coordenação de Limpeza Pública da SEMDUH estão, hoje (15), no bairro Santa Cruz, zona sul de Teresina. Esta é a terceira zona da cidade onde está sendo realizado esse projeto.

O mesmo trabalho já foi realizado no bairro Mocambinho, zona norte, e no bairro Beira Rio, zona sudeste. Os resultados são considerados bastante positivos, reduzindo o acúmulo de lixo nas ruas.

“Nos locais onde estamos realizando essa ação, temos obtido bons resultados. A população está mais consciente, a quantidade de pontos de descarte irregular diminuiu e nós vamos continuar com esse trabalho, atrelando ele a outras ações, como o plantio de árvores e flores em alguns desses locais mais críticos”, afirma o coordenador de limpeza pública da SEMDUH, Fabrício Amaral.

(Foto: Ascom/Semduh)

O objetivo desse trabalho é reduzir os ‘lixões a céu aberto’, provocados pela própria população, que usa as vias públicas e os terrenos ainda não murados para o descarte de todo tipo de resíduos. A SEMDUH mapeou alguns pontos “viciados” de descarte incorreto de lixo e é nesses locais onde os serviços de conscientização estão acontecendo.

Os serviços incluem limpeza dos pontos críticos, panfletagem, sensibilização de casa em casa, carro de som com informes e a instalação de uma placa indicando que é proibido jogar lixo no local.

(Foto: Ascom/Semduh)

Além de causar prejuízos à saúde pública aumentando a proliferação de mosquitos, jogar lixo em local proibido também entope as galerias e provoca alagamentos durante as chuvas. A primeira região contemplada com esta ação de conscientização foi o Bairro Beira Rio, na zona sudeste, e o segundo no Mocambinho, na zona norte.

Nesses locais, foram instaladas placas indicando a proibição do descarte de lixo e as equipes de limpeza vão de porta em porta nas residências próximas para conversar com os munícipes e explicar sobre os prejuízos.

(Foto: Ascom/Semduh)

As ações das equipes de limpeza estão acontecendo semanalmente, intercalando todas as zonas da cidade (norte, sul, sudeste, leste e centro). E todos os meses serão listadas novas áreas no cronograma, para que possamos chegar ao maior número de pessoas possível.

(Foto: Ascom/Semduh)

(Foto: Ascom/Semduh)

=
Com Informação da Prefeitura de Teresina

Continue lendo

Cidades

Moradores do Deus Quer recebem limpeza de fossas sépticas

Publicado

em

Por

Moradores do Deus Quer recebem limpeza de fossas sépticas

Dona Belinha Luz mora no Residencial Deus Quer há 32 anos e quando soube que havia um serviço de limpeza de fossas sépticas gratuita, ficou incrédula. “Eu fui tirar essa história a limpo, porque eu estava achando meio difícil uma coisa tão importante dessa”.

Ela foi se informar melhor e descobriu que o serviço existe e é muito fácil de solicitar. Basta o cidadão se dirigir à Superintendência de Ações Administrativas Descentralizadas – Sudeste com as cópias do RG, CPF e comprovante de residência. Após a abertura do protocolo, a equipe realiza uma visita domiciliar e encaminha os dados da família para a empresa, que vai agendar a data da limpeza.“Foi muito simples, bom demais! ”, comemora Belinha.  “Muito bacana, porque não é toda vez que a gente pode pagar para limpar e aparecendo uma oportunidade dessa a gente agarra com tudo”, afirma.

Belinha Luz recebe equipe da SAAD Sudeste (Foto: SAAD Sudeste)

A gerente de habitação da SAAD – Sudeste, Samara Cunha, conta que a prefeitura realiza esse serviço para famílias de baixa renda. “A família precisa ter uma renda de até 2 salários mínimos. Também não há prazo. Agora estamos limpando 20 fossas no Residencial Deus Quer, mas durante o ano inteiro estamos aceitando pedidos de limpeza de fossas de toda a região. É um serviço contínuo”, explica.

Elizângela Ribeiro também mora no Deus Quer e solicitou a limpeza da fossa de sua residência.  “É um benefício para nós, porque nem todo mundo tem renda para fazer essa limpeza e é uma questão de saúde. Principalmente quando chove, as fossas enchem e não temos como pedir para alguém limpar”, conta.

Elizângela Ribeiro faz cadastro para limpeza de fossas. (Foto: SAAD Sudeste)

O superintendente da SAAD – Sudeste, Zé Nito, comenta a importância do serviço. “Limpeza de fossas é saúde! Realizamos esse serviço todo mês e queremos que toda a população da zona sudeste saiba que é muito fácil solicitar. Estamos de portas abertas para todos os moradores”, conclui.

A SAAD – Sudeste fica localizada na Av. Dep. Paulo Ferraz, 1895 – Beira Rio.

=
Com Informação da Prefeitura de Teresina

Continue lendo

Câmbio

Capa

Tempo

Caro leitor,

Diariamente você recebe dezenas notícias no seu whatsapp. Algumas são verdadeiras, outras não.

Por isso, é tão importante poder contar com uma fonte de informação confiável – e independente.

É isso que nós fazemos. Produzimos conteúdo. De relevância e com qualidade. Nós checamos as informações antes de publicar para que você receba apenas a verdade.

Nós analisamos os fatos para que você construa sua opinião. Nós entrevistamos pessoas, confrontamos autoridades e cobramos resultados do setor público.

O Jornal Diário do Povo faz jornalismo. E para fazer bem feito, nós precisamos do seu apoio. Assine o jornal. Custa pouco, mas vale muito. 

Banca de Jornal

Popular