Conecte-se conosco

Cidades

Risco real: pode faltar Oxigênio no Piauí, diz entidade médica

Publicado

em

A Sociedade de Terapia Intensiva do Piauí (SOTIPI) emitiu um ofício dirigiro à Secretaria de Estado da Saúde e ao COE alertado sobre a situação dos hospitais no estado. A entidade médica fez um alerta que reflete o drama real dos profissionais de saúde. “Desta forma, não nos é possível curar ou cuidar e nem mesmo aliviar o sofrimento de quem precisa”, diz o ofício.

Segundo o relato, a demanda por leitos de UTI “chegou a níveis impossíveis de serem atendidas”. No ofício, dirigido às autoridades públicas e a sociedade, os médicos pedem que a “população tenha consciência” e que “os gestores tenham a coragem para as ações emergenciais essenciais”, diz o texto.

Segundo informações de profissionais que atuam na linha de frente do combate à Covid-19 nos hospitais, principalmente médicos intensivistas, não há mais profissionais disponíveis no setor, os que atuam nas UTIs já estão à beira da exaustão.

Pode faltar oxigênio no Piauí, alerta SOTIPI

O ofício alerta que “para os pacientes terem chance de sobreviver precisamos sair da situação de colapso na saúde”. A Sociedade de Teresina Intensivo cobrou às autoridades que sejam implementadas medidas que diminuam a transmissibilidade e deixou claro para o Governo do Piauí que pode faltar oxigênio.

“Já temos relatos de hospitais com falta de analgésicos e sedativos e com risco real de faltar outros insumos essenciais tais como Oxigênio”

Sociedade de terapia intensiva (sotipi),
em ofício dirigido ao secretário de estado da saúde

Neste momento setores da sociedade estão divididos quanto às medidas restritivas. De um lado, o presidente da República e seus apoiadores mantêm o discurso de que o lockdown é desnecessário e que afeta a economia, do outro, médicos do Piauí e de todo o Brasil imploram para que medidas de isolamento sejam implementadas com eficácia e participação da população.

Leia ofício com o alerta da SOTIPI sobre a situação dos leitos de UTI no Piauí


Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *